THINK TANK

 
O papel da FGV enquanto think tank cresce continuamente em várias áreas, como a econômica, social, segurança pública e política externa. Em 2015, a FGV ficou em 13º lugar entre os top think tanks globais (incluindo os Estados Unidos), além de ter sido considerada o melhor think tank da América Latina, segundo o Global Go To Think Tanks Rankings 2015, divulgado pela Universidade da Pensilvânia.
 
Atualmente, políticas públicas envolvem um grande número de atores domésticos e internacionais que procuram influenciá-las, tais como organizações internacionais, governos estrangeiros, grupos de interesse, experts, acadêmicos e think tanks. Os chamados think tanks (ou “centros de conhecimento”) são cada vez mais importantes em um mundo cuja complexidade é crescente e onde a tomada de decisão não está exclusivamente nas mãos dos governos.
 

O objetivo destes centros é produzir pesquisas para analisar políticas governamentais, resolver seus impasses, encontrar soluções inovadoras, além de promover o progresso do conhecimento acadêmico e debates teóricos. Por estas razões, os think tanks contribuem sobremaneira para o desenvolvimento socioeconômico de seus países de origem, ou daqueles onde eles também possuem atuação. Além disso, são pontes entre a sociedade e quem faz as políticas – os chamados “policy makers” – pois fomentam o debate de tais políticas junto ao público.