Alunos da EAESP desenvolvem aplicativo que auxilia os estudos
Administração
10 Maio 2017

Alunos da EAESP desenvolvem aplicativo que auxilia os estudos

A função do aplicativo é resolver três problemas muito comuns das escolas e cursinhos pré-vestibulares. O primeiro deles é a retenção de conteúdo, o segundo é a motivação e engajamento dos alunos com os estudos e o último, a falta de tempo para passar todo o conteúdo

Professores e alunos terão uma nova ferramenta para facilitar a aprendizagem. O Ducante, um aplicativo desenvolvido por alunos da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (EAESP) em parceria com os estudantes do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME USP) durante a disciplina de Empreendedorismo Digital.

A função do aplicativo é resolver três problemas muito comuns das escolas e cursinhos pré-vestibulares. O primeiro deles é a retenção de conteúdo, o segundo é a motivação e engajamento dos alunos com os estudos e o último, a falta de tempo para passar todo o conteúdo.  A ideia é que os professores estendam suas aulas para fora da sala de aula. Por exemplo: a aula é sobre eleições e o professor disponibiliza no Ducante diversos conteúdos multimídia, como vídeos, artigos e exercícios.

Os alunos usuários da plataforma, por sua vez, além de sair de um modelo convencional de aula, são motivados a participar de um game e também tem a oportunidade de tirar dúvida com outros colegas ou com outros professores online. Há ainda a possibilidade de praticar com exercícios, que são corrigidos pela ferramenta automaticamente. Dessa forma, o professor recebe os dados estatísticos que  mostram a evolução de cada aluno e pode, a partir daí, elaborar melhor suas aulas.

“O grupo que desenvolveu o aplicativo Ducante foi um dos que mais se destacou durante a disciplina de Empreendedorismo Digital. Ela foi fundamental, porque os alunos foram capazes de refletir sobre as possibilidades de criação de um modelo de negócio a partir da construção de um protótipo de software funcional”, explica o professor Eduardo de Rezende Francisco, um dos coordenadores da disciplina.

“Decidimos criar esse aplicativo para resolver alguns problemas que os cursinhos populares de São Paulo tinham por meio da tecnologia. Logo vimos que a carência de tecnologia na educação era mais generalizada no Brasil inteiro. Hoje, nossa expectativa é de ser o braço digital das escolas e cursinhos, populares ou não”, diz Lucas Santos, um dos alunos que desenvolveu a plataforma.

A plataforma já conta com mais de 40 mil exercícios e pode ser acessada pelas escolas parceiras pelo site ou pelos aplicativos disponíveis na App Store e no Google Play. Para conhecer o projeto, acesse o site.