Prêmio Jabuti: livros de professores da FGV estão entre os finalistas
Institucional
09 Outubro 2017

Prêmio Jabuti: livros de professores da FGV estão entre os finalistas

Criado em 1958, o Jabuti é o mais tradicional e consagrado prêmio do livro no Brasil, destacando a qualidade do trabalho de todas as áreas envolvidas na criação e produção de uma publicação.

A Fundação Getulio Vargas é finalista do Prêmio Jabuti. Seis livros de professores e pesquisadores das Escolas da FGV foram indicados para a 59ª edição do prêmio em quatro categorias: biografia; contos e crônicas; direito; e economia, administração, negócios, turismo, hotelaria e lazer. Os vencedores serão conhecidos em 31 de outubro.

Na categoria biografia, a FGV é representada pela obra “Frei Betto: Biografia”, do professor da Escola de Ciências Sociais (CPDOC), Américo Freire, e de Evanize Sydow. Os autores revelam o significado histórico da vida e do trabalho de Carlos Alberto Libanio Christo, o “Frei Betto”, em meio às transformações político-sociais que ocorreram no Brasil e nos demais países da América Latina a partir dos anos 1960. Já na categoria contos e crônicas, a FGV concorre com o livro “Caixa Rubem Braga – Crônicas”, organizado por André Seffrin, Bernardo Buarque de Hollanda (CPDOC) e Carlos Didier. A coleção reúne uma seleção de textos que só faz comprovar o talento, a atualidade dos temas e a visão criativa de Rubem Braga, considerado um dos principais cronistas da literatura brasileira.

Entre os finalistas na categoria direito há duas publicações da FGV. A coleção “História Oral do Supremo” é fruto de um projeto que visa mobilizar esforços no sentido da construção de uma inédita base de dados qualitativos sobre o Supremo Tribunal Federal (STF), composta por entrevistas realizadas com os ministros que compuseram a corte entre 1988 e 2013. A pesquisa é uma iniciativa da Escola de Direito do Rio de Janeiro (Direito Rio) em parceria com a Escola de Direito de São Paulo (Direito SP) e com a Escola de Ciências Sociais (CPDOC). O outro livro finalista é o “Controle judicial de uma administração pública complexa: A experiência estrangeira na Adaptação da Intensidade do Controle”, de autoria do professor da Direito Rio, Eduardo Jordão, que faz um estudo comparado sobre o tratamento dado aos procedimentos utilizados para a determinação concreta da intensidade do controle judicial das ações administrativas no direito do Canadá, Estados Unidos, Itália e França.

Na categoria economia, administração, negócios, turismo, hotelaria e lazer a FGV também é representada por duas obras. “A crise de crescimento do Brasil”, dos pesquisadores do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE), Regis Bonelli e Fernando Veloso, reúne análises de um conjunto de problemas estruturais que impedem o avanço mais rápido do país em direção ao desenvolvimento. A outra publicação finalista nessa categoria é “Finanças Públicas”, do professor da Escola de Economia de São Paulo, Felipe Salto, e de Mansueto Almeida. O livro analisa a história econômica do Brasil e propõe soluções para os problemas crônicos do país, como inflação, dívida externa e alta taxa de juros interna.

Criado em 1958, o Jabuti é o mais tradicional e consagrado prêmio do livro no Brasil, destacando a qualidade do trabalho de todas as áreas envolvidas na criação e produção de uma publicação.

Para conhecer os finalistas, acesse o site.