Panorama do Uso de TI no Brasil

Temos 440 milhões de Dispositivos Digitais (computador, notebook, tablet e smartphone) em uso no Brasil (corporativo e doméstico), ou seja, mais de 2 Dispositivos Digitais por habitante. O smartphone domina vários usos, como nos bancos, compras e mídias sociais. Uma ruptura no comportamento está presente no uso desses dispositivos, isolamento, ensino e trabalho a distância deixam marcas permanentes.

Administração
20/05/2021
Fernando S. Meirelles

Anualmente o FGVcia, divulga um amplo retrato do mercado de Tecnologia de Informação (TI), com resultados de estudos e pesquisas do uso de TI nas empresas. Uma amostra significativa de 2.636 médias e grandes empresas, retrata o cenário atual e as tendências desse ambiente, resumidos neste texto.

O que mais chamou a atenção na edição de 2021 da Pesquisa foi o impacto da pandemia provocando em meses um avanço no uso de TI que normalmente levaria anos para ocorrer. Os resultados comprovam essa aceleração do processo de Transformação Digital nas empresas e na sociedade.

Temos 440 milhões de Dispositivos Digitais (computador, notebook, tablet e smartphone) em uso no Brasil (corporativo e doméstico), ou seja, mais de 2 Dispositivos Digitais por habitante. O smartphone domina vários usos, como nos bancos, compras e mídias sociais. Uma ruptura no comportamento está presente no uso desses dispositivos, isolamento, ensino e trabalho a distância deixam marcas permanentes.

Continuamos com mais de 1 smartphone por habitante. São 242 milhões de celulares inteligentes em uso no Brasil em junho de 2021. Adicionando os Notebooks e os Tablets são 346 milhões de Dispositivos Portáteis. No Brasil vende-se 4 celulares por TV!

Vamos ultrapassar 200 milhões de computadores (desktop, notebook e tablet) em uso no Brasil em 2021, atingindo 9,4 computadores para cada 10 habitantes (94% per capita). A venda anual em 2020 foi de 11 milhões, 8% menor que 2019 e menos da metade do pico de 2013. Trabalhar, estudar e ficar em casa aumentará o uso e a venda? Tendência que sim!

É notável que o uso e os gastos e investimentos em TI nas empresas de 8,2% da receita continuam crescendo em valor, maturidade e importância para os negócios existentes e para viabilizar novos modelos de negócios, mesmo com uma economia retraída. Seu valor depende de vários fatores: os dois principais são o estágio ou nível de informatização e o ramo no qual a empresa opera.

Esse Índice é o gasto total destinado a TI, a soma de todos os investimentos, despesas e verbas alocadas em TI, incluindo: equipamento, instalações, suprimentos e materiais de consumo, software, serviços, comunicações e custo direto e indireto com pessoal próprio e de terceiros em TI, dividido pela receita da empresa.

Pode-se comprovar que quanto mais informatizada a empresa, maior é o valor desse Índice. Nos últimos 32 anos, ele cresceu 6% ao ano, passando de 1,3% em 1988 para 8,2% em 2020/21. Mesmo assim, existe muito espaço para crescer e chegar nos níveis dos países mais desenvolvidos. Outro indicador, entre os mais de 50 analisados na Pesquisa, é o CAPU - Custo Anual de TI por Usuário de R$ 48.000: Gastos e Investimentos em TI dividido pelo número de usuários da empresa.

Seu comportamento não tem economia de escala, cresce com o tamanho da empresa. Varia conforme o ramo, nas empresas de Serviços a média é R$ 60.000 e atinge R$106.000 para o ramo financeiro, na Indústria R$ 44.000 e no Comércio R$ 31.000.

A Pesquisa levanta a participação no mercado dos fabricantes de 26 categorias de Software. A Microsoft continua dominando várias categorias no usuário final, algumas com mais de 90% do uso. Os três fabricantes que mais cresceram sua participação, foram: Zoom em primeiro, seguido pelo Google e Qlik.

Os Sistemas Integrados de Gestão (ERP) da TOTVS e da SAP têm 33% do mercado cada, Oracle 11% e outros 23%. A TOTVS lidera nas menores e SAP nas maiores empresas.

Vários sinais do novo normal já são visíveis, a tecnologia junto com a pandemia muda a maneira pela qual transacionamos, trabalhamos, estudamos e vivemos. Esse fenômeno provoca a necessidade de integrar cada vez mais o físico com o digital e demandam a implementação de novos processos integrados internamente, externamente e principalmente com o ecossistema da empresa.

Assim sendo, o “novo” ERP torna-se o coração da transformação digital. Os programas de Inteligência Analítica (BI - Business Intelligence and Analytics) continuam sendo uma categoria de destaque e muito lucrativa para os fabricantes. SAP, Oracle, TOTVS, Microsoft, Qlik e IBM, nesta ordem, são os líderes desse com 95% do mercado. Apesar de todo esse arsenal de ferramentas modernas, 90% do uso de Inteligência Analítica no departamento financeiro das empresas é Excel.

A Pesquisa aprofunda seus estudos em três ramos da economia: nos Bancos ressaltamos que 62% da origem das transações já é do Mobile Banking, nos Hospitais privados temos o inovador CAPL - Custo Anual de TI por Leito de R$ 158.000 e no AgroNegócio mostramos um comportamento parecido, mas um pouco abaixo da média da indústria.

Os principais projetos de TI identificados na Pesquisa, são: Inteligência Analítica e “o novo” ERP (Migração, Implementação e Integração). Nas grandes empresas, aparece: Busca de Talentos, Governança de TI, Inteligência Artificial, IoT (Internet das Coisas) e Nuvem. O foco principal deve ser no Alinhamento Estratégico com o processo de Transformação Digital.

Apresentação e Relatório da 32ª Pesquisa Anual de Uso de TI estão disponíveis no site.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Autor(es)

  • Fernando S. Meirelles

    Professor Titular e Fundador do FGVcia: Centro de Tecnologia de Informação Aplicada (FGVCia) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV EAESP).

Artigos relacionados

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para saber mais sobre as informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.