É crime defender um direito fundamental?

O aborto, a revista AzMina e a Ministra Damares 

法学
27/09/2019
Dimitri Dimoulis
Taís Penteado

A Ministra Damares Alves encaminhou ao Ministério Público pedido de abertura de inquérito criminal contra as responsáveis por uma reportagem sobre aborto publicada pela revista AzMina. A matéria, que informava sobre métodos seguros para a prática, foi considerada um “absurdo” e classificada pela Ministra como apologia ao crime. A iniciativa foi criticada como tentativa de censurar e intimidar jornalistas, mas, o maior estranhamento veio do fato de ter sido justamente a Ministra da Mulher a autora de denúncia contra publicação feminista, produzida exclusivamente por mulheres.

Antes de pensar sobre a censura e os possíveis limites da liberdade de imprensa devemos levar em consideração que, no momento atual, a criminalização do aborto nos três primeiros meses da gravidez foi considerada contrária à Constituição pelo Supremo Tribunal Federal. A última decisão da Suprema Corte sobre o tema não deixa dúvidas. Em 2016, a primeira turma do Supremo considerou inconstitucional a criminalização do aborto feito a pedido da gestante e decidiu que os médicos envolvidos não tinham responsabilidade penal. Isso ocorreu no habeas corpus 124.306.

O Tribunal considerou que a criminalização do aborto nos três primeiros meses de gravidez viola os direitos sexuais e reprodutivos da mulher. Considerou também necessário permitir o aborto como medida de igualdade de gênero. Já que homens não engravidam e que as mulheres suportam integralmente o ônus da gravidez, a igualdade plena entre homens e mulheres demanda que caiba às mulheres a decisão acerca da manutenção ou não da gravidez, sem a ameaça de pena severa pela interrupção.

Um outro argumento importante na decisão é o de que a criminalização do aborto é uma restrição desproporcional aos direitos das mulheres, principalmente daquelas que se encontram em situação de vulnerabilidade. Para diminuir a incidência do aborto, o Estado deveria empregar meios mais eficazes e que não punem as gestantes, como a educação sexual, o acesso a contraceptivos e o apoio às mulheres que querem ter filhos, mas abortam porque sabem que não receberão apoio efetivo.

Do ponto de vista técnico, o Supremo não declarou a inconstitucionalidade da punição do aborto. Interpretou o Código Penal à luz da Constituição, fazendo a denominada “interpretação conforme a Constituição”. Na prática, porém, isso significa que qualquer tentativa de responsabilizar a gestante por aborto nos três primeiros meses da gestação violaria a Constituição Federal. Assim, qualquer pessoa acusada desse “crime” ou de sua apologia pode invocar a decisão (e a proteção) do Supremo.

Ninguém ignora que o Supremo se manifestará novamente sobre a constitucionalidade do aborto na ADPF 442 e na ADIn 5.581. A primeira ação é de relatoria da Ministra Rosa Weber, que votou pela inconstitucionalidade da criminalização no habeas corpus de 2016. A segunda é de relatoria da Ministra Carmem Lucia. Sabemos também que o Presidente do Supremo decidiu não colocar na pauta essas ações durante seu mandato. Seja como for, a última palavra do Supremo foi a de que o aborto feito pela mulher ou a pedido dela no primeiro trimestre não é crime.

A reportagem da revista AzMina ofereceu importantes informações a todas as mulheres de maneira acessível e gratuita. As jornalistas que o fizeram mereceriam elogios por ajudar no exercício desse direito, e não perseguição. E a Ministra Damares deveria se informar sobre a jurisprudência do Supremo em matéria de direitos, já que os Direitos Humanos fazem parte de sua pasta.

Publicado também no blog do Fausto Macedo, no Estadão.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para saber mais sobre as informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.