A disseminação do coronavírus no mundo e o impacto nos preços do petróleo

À medida que o vírus COVID-19 se espalha, os temores de seu impacto econômico fizeram as bolsas de valores e os preços do petróleo caírem

能源
28/02/2020
Fernanda Delgado

Na semana passada a OMS informou que havia cerca de 77 mil casos de COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus, em 27 países. Em 28 de fevereiro, a organização afirmou que o número de casos chegou a 83 mil em 52 países. Há sinais bastante positivos de que na China o vírus está sendo controlado, mas está se espalhando pelo mundo. Estamos em um ponto decisivo, disse Tedros Ghebreyesus, chefe da OMS.

A rápida disseminação do vírus para além das fronteiras chinesas contribuiu para aumentar o alarme sobre seu impacto na economia mundial. A China emitiu um número recorde de isenções de force majeure, permitindo que os exportadores violem obrigações, e os efeitos já podem ser sentidos em outros países, inclusive no Brasil. Os mercados de ações caíram acentuadamente nesta semana.

Os mercados de petróleo e outras commodities também foram atingidos. O petróleo Brent caiu cerca de 15% na semana passada e estava sendo negociado abaixo de US $ 51 por barril na manhã de sexta-feira (28 de fevereiro). As expectativas da demanda em 2020 estão sendo revisadas acentuadamente mais baixas. A demanda de derivados nos EUA também foram revistas para baixo. A EIA (2020) estima que o COVID-19 reduzirá a demanda total de petróleo e combustíveis líquidos na China em uma média de 190.000 b/d em 2020. Essa previsão é baseada em estimativas de três componentes: redução na demanda por petróleo e combustíveis líquidos causada pelo declínio geral da atividade econômica chinesa, medida pelo PIB, redução do consumo do combustível de aviação na China causado por cancelamentos de voos e impactos adicionais na demanda da China por outros combustíveis de transporte

Segundo a consultoria WoodMackenzie (2020), mesmo surtos de doenças globais muito graves, como a pandemia global de influenza de 1918-19, provaram ter apenas um impacto econômico temporário e, até o momento, não há razões convincentes para esperar que o COVID-19 seja diferente. Há, no entanto, uma incerteza significativa sobre a rapidez com que ela pode ser controlada. O impacto na demanda de petróleo na China e em todo o mundo já parece provável que seja significativamente maior do que as estimativas iniciais haviam sugerido. A perspectiva global de demanda agora depende da gravidade das medidas que outras nações precisam adotar para controlar o vírus.

Uma questão importante para o mercado é o resultado das reuniões da OPEP e seus aliados, programadas para a primeira semana de março. Acredita-se que a Arábia Saudita pressionará o grupo OPEP + a concordar com um corte adicional na produção, totalizando um milhão de barris por dia. O que é significativamente mais do que a redução de 600 milb/d recomendada na reunião do início do mês passado, quando o coronavírus ainda estava em grande parte confinado à China.

A pressão que a redução da queda dos preços faz sobre as receitas petrolíferas deve incentivar os paises da OPEP + a chegar a um acordo de reduções de oferta adicionais que possibilitaria estabilizar o mercado. Entretanto, esta almejada estabilidade pode ser ameaçada se o impacto do COVID-19 continuar até o segundo trimestre de 2020, atingindo a demanda e impedindo a recuperação esperada.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).