As políticas que estão sendo adotadas para o combate ao Covid-19: Experiência internacional e o Brasil

No Brasil, o governo anunciou uma série de medidas. No último dia 22/03, o BNDES anunciou quatro medidas, sendo que duas já haviam sido anunciadas pelo Ministério da Economia: a fusão do PIS com o FGTS e a disponibilização de R$ 5 bilhões para capital de giro de MPEs. Assim, dos R$ 55 bilhões anunciados, apenas R$ 30 bilhões podem ser considerados novos

经济学
24/03/2020
Manoel Pires

O Observatório de Política Fiscal do Instituto Brasileiro de Economia (FGV IBRE) divulga um levantamento das principais políticas adotadas ou em discussão nos principais países e no Brasil.

Em geral, as medidas buscam aliviar o fluxo de caixa das empresas, repor renda das famílias e reforçar a capacidade dos sistemas de saúde. Nem todas as medidas tiveram impactos financeiros anunciados. Nos EUA, os valores discutidos já chegam a 6,3% do PIB, mas há uma negociação em andamento no Congresso para elevar para 11,3% do PIB.

No Reino Unido, o total de medidas anunciadas chegou a 17% do PIB. A medida mais significativa é a disponibilização de garantias públicas em montante de até £330 bilhões. A garantia pública reduz risco dos empréstimos bancários. Se o devedor não pagar o banco, o governo cobre o prejuízo. No último dia 20, o Tesouro Britânico anunciou que reporá até 80% da renda dos trabalhadores em lay off até o salário de £2.500 por mês, um patamar superior à renda mediana. Esse é o mais expressivo programa de transferência de renda, cujo impacto financeiro não foi anunciado. Mesmo sem anunciar esse valor, o que o Reino Unido já anunciou ultrapassa os 17% do PIB.

A Espanha, por sua vez, anunciou um programa que até o momento atinge 17% do PIB. Além de garantias públicas para empréstimos e programas de renda para os informais, existem ações para garantir serviços públicos básicos como eletricidade, acesso à água e internet e manter a renda com a suspensão de hipotecas imobiliárias. A Alemanha e a França vão em caminhos muito similares. Só em volume de garantias, o suporte oferecido para as economias foi de 12% e 13,1% do PIB, respectivamente.

No Brasil, o governo anunciou uma série de medidas. Nessa confusão de anúncios, é importante evitar duplicidades na conta. No último dia 22/03, o BNDES anunciou quatro medidas, sendo que duas já haviam sido anunciadas pelo Ministério da Economia: a fusão do PIS com o FGTS e a disponibilização de R$ 5 bilhões para capital de giro de MPEs. Assim, dos R$ 55 bilhões anunciados, apenas R$ 30 bilhões podem ser considerados novos.

No entanto, as demais linhas são renegociações de operações de crédito em condições que não parecem muito favoráveis. No caso das operações indiretas, em que o risco fica com o banco operador do financiamento, a taxa cobrada é composta de TLP+comissão do BNDES+ spread do banco operador. Essa taxa deve ficar acima de 6,3% em termos reais podendo se aproximar de 9% em termos nominais (2% de TLP + 1,25% de comissão +3,0% de spread + inflação). Considerando que a Selic irá desabar nos próximos meses, essas linhas não parecem nem um pouco competitivas para a imensa maioria das operações e não deve rodar. Nas operações diretas, o BNDES deve operar melhor.

Na tabela abaixo, segue a descrição de todas as medidas fiscais e para fiscais anunciadas pelo governo. O total é de R$ 844 bilhões (11,6% do PIB) o que parece expressivo. No entanto, a medida com maior impacto é a redução do requerimento de capital dos bancos que liberou R$ 672 bilhões para ampliar a capacidade de crédito. Como essa medida não tem natureza fiscal e o governo só deve participar dela na medida em que os bancos públicos forem mais arrojados, é importante avaliar o total das medidas excluindo essa ação. Ao fazer isso, percebe-se que o total anunciado é absolutamente insuficiente e atinge 2,86% do PIB. Ainda se considerarmos que muitas ações se referem a antecipações de despesa que terão impacto muito pequeno, pois a crise será mais duradoura, o total anunciado é ainda mais inexpressivo atingindo apenas 2,05% do PIB. Comparado com o que outros países estão fazendo que está se aproximando de 20% do PIB, o pacote brasileiro ainda está deixando muito a desejar.

O levantamento completo pode ser lido aqui.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).