Estado de calamidade no Amapá: uma crise sanitária e outra energética

Quase 90% da população está há mais de 60 horas sem energia elétrica em plena pandemia da Covid-19

能源
06/11/2020
Gláucia Fernandes

O Amapá vive situação de emergência em função do apagão que atinge o estado desde terça-feira (3/11). Quase 90% da população está há mais de 60 horas sem energia elétrica em plena pandemia da Covid-19.

Após forte chuva uma subestação de energia pegou fogo na capital e deixou 13 dos 16 municípios do estado sem energia elétrica. No acidente, o segundo transformador também foi avariado e ficou fora de operação, enquanto o terceiro estava desligado para manutenção desde o ano passado. A empresa espanhola Isolux, construtora e operadora da linha de transmissão de 500 kv Tucuruí-Macapá-Manaus, que liga o Amazonas, o Amapá e oeste do Pará à Usina Hidrelétrica de Tucuruí, não consegue trocar o transformador que pegou fogo porque não tem outro para pôr no lugar em hora de emergência. Essa é a única linha que fornece energia ao Amapá. Sem essa linha, o estado fica isolado do Sistema Interligado Nacional.

Sem eletricidade, 89% da população sofre sem fornecimento de água (bombeamento elétrico) e oferta regular de serviços de telecomunicações. A capital Macapá concentra 60% da população estadual e moradores buscam shoppings e o aeroporto para conseguir energia. Isso porque a capital, que tem uma carga de 240 MW, está recebendo apenas 40 MW da usina hidrelétrica de Coaracy Nunes, situada a 150 km de Macapá, que pertence à estatal Eletronorte.

O prefeito de Macapá, Clécio Luís, decretou nesta quinta-feira estado de calamidade pública na capital por 30 dias. A maioria dos postos de gasolina não consegue operar por falta de geradores e os caixas eletrônicos e máquinas de cartão não funcionam. Como resultado, postos de combustíveis, supermercados e locais de revenda de água estão com filas enormes. Os postos de gasolina na região foram autorizados a funcionar 24 horas por dia. Antes, devido à pandemia do novo coronavírus, os postos só podiam funcionar das 6h até 22h. Empresários e comerciantes, sobretudo do ramo de alimentação, estão acumulando prejuízos com alimentos estragados devido à falta de refrigeração. Hospitais operam com a ajuda de geradores.

A subestação atingida pelo incêndio passou por reparos, mas ainda não houve reestabelecimento do serviço. A previsão era de que 60% ou 70% dos serviços fossem retomados ainda na sexta-feira, conforme o gabinete de crise do governo federal, porém o plano para tentar restaurar parte da energia do estado ainda não deu certo, porque a operação é complexa uma vez que depende da conclusão de reparos que estão sendo feitos no transformador número 3 da subestação Macapá, que só poderá entrar em operação após a descontaminação de 45 mil litros de óleo usados no equipamento.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse nesta sexta-feira (6/11) que pretende restabelecer toda a energia no estado do Amapá em até 10 dias. Além disso, o primeiro transformador da subestação será substituído em até 15 dias por um equipamento disponível no município de Laranjal, a 300 km de Macapá. O segundo, por um transformador da Eletronorte que será transportado de Boa Vista, em Roraima, e terá a instalação concluída em 30 dias. Albuquerque reforçou que o restabelecimento das condições normais de operação no Amapá pode levar até 30 dias.

O Ministério de Minas e Energia abriu uma investigação para apurar as causas do incêndio, se houve falhas na falta de peças de reposição e por que o terceiro gerador está em manutenção há quase um ano. 

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information from your device and your browsing and uses technologies such as cookies to store it and enable features, including: improve the technical functioning of the pages, measure the website's audience and offer relevant products and services through personalized ads. For more information about this Portal, access our Cookie Notice and our Privacy Notice.