Biden presidente dos Estados Unidos: a volta da hipocrisia, necessária

Os Estados Unidos voltarão aos acordos internacionais, ou a alguns deles pelo menos – o do clima está anunciado, mas o nuclear, com o Irã, é uma incógnita; voltarão a contribuir para organizações internacionais que são partes essenciais da arquitetura da governança global; voltarão a fazer o discurso do direito e dos direitos

Relações Internacionais
24/11/2020
Salem Hikmat Nasser

Recentemente, me vi desejando o retorno da hipocrisia. Eu pensava no comportamento dos Estados Unidos, sob Trump, em relação ao resto do mundo e em relação ao direito internacional.

Eu dizia que nos últimos quatro anos os Estados Unidos e seu presidente haviam abandonado aquela persona de defensores do direito, das instituições das liberdades, da democracia e que haviam inclusive abandonado a estratégia de usar o direito como instrumento do seu próprio poder.

Em resumo, apontava para o fato de que vivíamos os perigosos tempos em que o vício considerava dispensável prestar homenagens à virtude. Tempos em que uma certa hipocrisia necessária se fazia ausente.

E de fato, Trump, talvez por uma forte inclinação pessoal, ao abandonar acordos internacionais, ao solapar organizações e instituições internacionais, ao chantagear abertamente países e pessoas, desnudava o bully que se escondia, em tempos normais, sob o manto da “maior democracia do mundo”.

Os riscos desse comportamento em que o vício se exibe sem se constranger têm a ver com a instabilidade e com as incertezas aportadas pelo poder que não teme agir arbitrariamente. E, para conter esses riscos, era preciso convidar, de volta à cena, aquela dose mínima de hipocrisia.

Por outro lado, no entanto, aquele desnudamento desavergonhado trazia em si um certo frescor, um certo brilho: não deixa de ser fascinante a sensação de contemplar a verdadeira face da besta! E mais, aqueles exercícios trumpianos de um poder sem luvas pareciam acelerar a decadência desse mesmo poder: a grande potência parecia encolher moralmente e ao mesmo tempo exibir as rachaduras em suas máquinas, militar, econômica, social, política.

Pois bem, com Biden eleito, aquela hipocrisia necessária anuncia sua volta aos palcos, e boa parte do mundo respira aliviada. Os Estados Unidos voltarão aos acordos internacionais, ou a alguns deles pelo menos – o do clima está anunciado, mas o nuclear, com o Irã, é uma incógnita; voltarão a contribuir para organizações internacionais que são partes essenciais da arquitetura da governança global; voltarão a fazer o discurso do direito e dos direitos. Mas, atenção, voltarão a fazer, ou tentar fazer, de todas essas coisas instrumentos a serviço de seu poder e de sua posição hegemônica em relação ao resto do mundo.

Assim, quem até ontem pedia o retorno de alguma medida mínima de hipocrisia deverá agora voltar ao exercício usual de rasgar as teias tecidas por essa mesma hipocrisia e tentar revelar o jogo do poder que sob elas se desenrola. Afinal, não é porque o vício volta a prestar homenagens à virtude que ele deixa de ser vício.

É por isso que, quem quiser respirar aliviado e comemorar a vitória de Biden, deve fazê-lo com moderação. Sobretudo nós os não americanos, ainda que, mundo afora, as eleições americanas tenham sido cobertas e comentadas como se fossemos todos nós cidadãos dos míticos “US of A!”

Se o fossemos, aliás, também faríamos bem de comemorar comedidamente; afinal de contas, se 74 milhões votaram contra Trump – e não necessariamente por endossarem Biden – ainda é verdade que 70 milhões votaram para que Trump seguisse à frente da Casa Branca!

Mas nós, todos os demais, devemos lembrar que não estamos incluídos nisso que se chama de democracia americana. É verdade que somos partes interessadas nas políticas americanas e afetadas por elas, mas isso é porque, ainda que seja uma democracia para seus cidadãos, em relação ao resto do mundo os Estados Unidos agem e pensam como Império e exercem o poder e a influência do Império.

Isso não é menos verdade sob administrações democratas.

Biden foi vice-presidente sob Obama, talvez o presidente americano que melhor tenha combinado estratégias de preservação do Império e de proteção de seus interesses, reconhecendo os limites cada vez mais marcados ao seu poder e usando com grande habilidade a hipocrisia, os belos discursos em torno de altos valores e, ao mesmo tempo, a política de derrubada de regimes, de assassinatos seletivos, de intervenções militares, de instrumentalização de instituições internacionais como o Conselho de Segurança e o Tribunal Penal Internacional.

Biden não tem o carisma de Obama, e talvez não tenha a sua inteligência, mas tentará um pouco mais do mesmo. Acontece, no entanto, que o mundo mudou muito em muito pouco tempo, e as fraturas do poder americano estão hoje mais expostas diante de adversários atentos e conhecedores do jogo. Biden tentará reduzir o ritmo de uma decadência anunciada e o fará inclusive voltando ao caminho da hipocrisia que permite a convivência nessa espécie de selva civilizada.

Aos demais, países e pessoas, nos cabe respirar fundo, e não apenas aliviados, e construirmos as estratégias que melhor protegem nossos interesses. Sem inocência indevida porque o bully pode trocar de roupa e maneiras, mas continua de olho ne nosso lanche.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).