Pandemia acentua pobreza e é tema de debate na FGV

A pandemia, ainda fora de controle, impacta o pleno funcionamento da atividade econômica e deve fazer com que o PIB se retraia no primeiro trimestre deste ano. Por isso é fundamental que o governo encontre espaço no orçamento para conceder uma nova modalidade de auxílio emergencial que componha, mesmo que em parte, a renda dos mais desfavorecidos
经济学
24 二月 2021
Pandemia acentua pobreza e é tema de debate na FGV

A pandemia do coronavírus atingiu os sistemas de saúde ao redor do mundo e a situação financeira dos países. No Brasil, um efeito colateral e perverso foi ter acentuado a desigualdade social, que já vinha crescendo nos últimos anos. Para jogar luz sobre as causas da pobreza no país, o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) e a Folha de S. Paulo promovem dia 25 de fevereiro, a partir das 10h, o webinar “Novo pico de pobreza e auxílio emergencial”. A liberação de recursos para a população mais vulnerável foi e é um dos principais temas de debate na agenda econômica do governo durante a pandemia. O evento é gratuito e será transmitido pelos canais da FGV e da Folha no YouTube e pelo canal da FGV no LinkedIn, e faz parte das comemorações dos 70 anos do FGV IBRE e dos 100 anos da Folha.

Quem participar vai acompanhar as análises de Daniel Duque, pesquisador do FGV IBRE; de Naercio Menezes, professor do Insper; e de Fernando Veloso, pesquisador do FGV IBRE. Os três são alguns dos economistas brasileiros que se debruçam sobre dados de mercado de trabalho, desigualdade e produtividade no país, podendo traçar um panorama mais aprofundado do tema. O repórter especial da Folha, Fernando Canzian, modera o debate.

A pandemia, ainda fora de controle, impacta o pleno funcionamento da atividade econômica e deve fazer com que o PIB se retraia no primeiro trimestre deste ano. Por isso é fundamental que o governo encontre espaço no orçamento para conceder uma nova modalidade de auxílio emergencial que componha, mesmo que em parte, a renda dos mais desfavorecidos.

De acordo com dados do FGV Social, a pandemia jogou para a linha da pobreza quase 27 milhões de brasileiros. Com o fim do auxílio emergencial no final de 2020, em janeiro 12,8% de pessoas estavam na linha da pobreza, ante os 12,1% de 2011. Os cálculos mostram o papel devastador da COVID-19 no País que, aumentou ainda as disparidades regionais.

Os interessados podem se inscrever gratuitamente pelo site.

Our website collects information from your device and your browsing and uses technologies such as cookies to store it and enable features, including: improve the technical functioning of the pages, measure the website's audience and offer relevant products and services through personalized ads. For more information about this Portal, access our Cookie Notice and our Privacy Notice.