Em nome das crianças

Famílias podem cobrar indenização do governo na Justiça por atraso na vacinação de brasileiros entre 5 e 11 anos.

公共政策
10/01/2022
Eloísa Machado

Todas as crianças de 5 a 11 anos de idade que foram privadas de vacinação desde o dia 16 de dezembro, quando a Anvisa autorizou que elas fossem imunizadas com a vacina da Pfizer, sofreram dano direto do governo federal. Todas têm, portanto, direito a receber indenização – mesmo que não tenham contraído a doença. Os atos ilícitos são flagrantes.

O atraso na vacinação foi causado pelo governo de Jair Bolsonaro, e de forma intencional. O fato está bem documentado. “Estão morrendo crianças de 5 a 11 anos para justificar algo emergencial?”, indagou Bolsonaro uma semana após a liberação da Anvisa, na véspera de Natal. No dia anterior, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, havia dito que as mortes de crianças por Covid-19 estavam dentro de um “patamar aceitável”. Trata-se de uma versão infanticida da célebre frase de seu antecessor, Eduardo Pazuello, quando este tentou justificar o atraso na compra de vacinas: “Para que essa ansiedade, essa angústia?”

Naqueles dias de dezembro – e ainda hoje – o Brasil tinha uma das maiores taxas de letalidade e mortalidade por Covid em crianças do mundo. A cada dois dias uma criança com idade entre 5 e 11 anos morreu no Brasil devido à doença.

Com essas ações, Bolsonaro e Queiroga cometeram ilícito e podem ser responsabilizados. Não faltam fundamentos para isso.

É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.”

Esse é o texto de um dos artigos mais bonitos e revolucionários da Constituição Federal de 1988, que baniu do ordenamento jurídico brasileiro a doutrina menorista – segundo a qual as crianças eram objetos de intervenção, sem direitos e sob sujeição total à vontade dos pais ou do Estado. Ao romper com essa tradição, a Constituição reconheceu que crianças e adolescentes são sujeitos de direitos e impôs a todos nós o dever de assegurá-los, em consonância com tratados internacionais de direitos humanos.

É o único artigo da Constituição que prevê prioridade na garantia de direitos. Mais do que isso: prioridade absoluta. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) define a garantia à prioridade absoluta como a “primazia de receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias; a precedência de atendimento nos serviços públicos ou de relevância pública; a preferência na formulação e na execução das políticas sociais públicas e a destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção à infância e à juventude”.

Não bastasse o que diz a Constituição de forma enfática, o ECA avança ainda mais e impõe a todos os entes – família, Estado e sociedade – o dever de prevenir a ocorrência de ameaça ou violação a direitos das crianças e adolescentes.

Em meio a uma pandemia, esses direitos deveriam garantir políticas de contenção do vírus direcionadas às crianças; a continuidade da educação mesmo em isolamento; a garantia de uma alimentação adequada; entre outras medidas. Deveriam garantir, acima de tudo, a única política realmente eficiente para conter epidemias e pandemias: a vacinação.

O ECA prevê expressamente a obrigatoriedade de vacinação de crianças nos casos assim recomendados pelas autoridades sanitárias. A obrigatoriedade da vacina para crianças foi, inclusive, corroborada pelo Supremo Tribunal Federal em dezembro de 2020. No julgamento, pais veganos pleiteavam o direito de não imunizar seus filhos. Perderam por unanimidade. Os ministros do STF entenderam que a proteção dos direitos da criança prevalece sobre as convicções dos pais.

Diante de todas essas normas, o que fez Bolsonaro? Atrasou a vacinação de crianças durante uma das maiores pandemias da história, expondo-as a riscos evitáveis de adoecimento e de morte. Depois que a Anvisa liberou a aplicação da vacina em crianças de 5 a 11 anos, o ministro da Saúde convocou uma audiência pública sem pé nem cabeça para debater o assunto. O evento serviu ao único propósito de atrasar a inclusão das crianças no plano nacional de imunização.

Se a prioridade absoluta dos direitos infantis tivesse sido respeitada, parte das crianças poderia estar totalmente vacinada em fevereiro, quando a maioria das escolas retoma o ano letivo. Não é o que acontecerá. Como as primeiras doses pediátricas da Pfizer estão previstas para chegar ao Brasil no dia 13 de janeiro e o governo estabeleceu intervalo de oito semanas entre as duas doses, a maior parte dos alunos retornará às salas de aula entre fevereiro e março sem o esquema vacinal completo, o que os põe em risco.

Diante do dever legal de assegurar os direitos das crianças com prioridade, o atraso da vacinação se caracteriza como um ato ilícito. O direito prevê múltiplas formas de responsabilizar alguém por ilegalidades como essa. Independentemente de eventuais responsabilidades penais e administrativas, para ilícitos civis há ações de responsabilidade civil que podem acarretar a imposição de obrigações e reparação de danos.

Crianças que não foram vacinadas estão sofrendo danos na medida em que estão menos seguras e mais propícias à contaminação, ao adoecimento e à morte. Mesmo que não haja contaminação, o mero risco a que foram indevidamente expostas já se caracteriza como um dano frente às normas que exigem cautela, prevenção e ação contra negligência. Crianças ainda não vacinadas sofrem ao serem privadas da convivência com familiares e amigos.

Ações civis podem exigir a reparação desses danos mediante o pagamento de indenização às crianças. Como o presidente e o ministro ocupam cargos públicos, a responsabilidade pelo pagamento da indenização pode recair sobre o erário. Se isso acontecer, o Estado terá direito de exigir das pessoas físicas de Bolsonaro e Queiroga o reembolso dos valores pagos. Infelizmente, o Judiciário não tem sido ágil ou receptivo às ações que tentam domar Bolsonaro. Mesmo com muitas provas e a evidência do direito, essas ações de indenização podem encontrar resistência entre juízes. Não é à toa que estamos onde estamos.

O atual governo deixou claro que despreza os direitos da criança e do adolescente. Em seus discursos, Bolsonaro já defendeu o manuseio de armas por crianças e até o trabalho infantil. Como consequência de suas políticas, meninos e meninas indígenas são dragadas pelos rios e padecem de desnutrição. Seus ministros atuaram e atuam segundo sua vontade. Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) perseguiu uma menina vítima de violência sexual para garantir que ela não fizesse um aborto. Milton Ribeiro (Educação) promoveu o Enem mais desigual da história. Sergio Moro (ex-ministro da Justiça) quis dar “escusas” a policiais que matam sobretudo adolescentes negros. 

Queiroga, por fim, assegura que mais crianças morram até que o plano de vacinação saia do papel. Trata-se de um governo que quer matar o futuro. E está conseguindo.

Este artigo foi originalmente publicado na revista Piauí em 5 de janeiro de 2022.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information from your device and your browsing and uses technologies such as cookies to store it and enable features, including: improve the technical functioning of the pages, measure the website's audience and offer relevant products and services through personalized ads. For more information about this Portal, access our Cookie Notice and our Privacy Notice.