Conceitos desvirtuados para perpetuar a polarização: a quem serve essa prática?

O estabelecimento de sociedade igualitária responsável coletivamente pelo mínimo existencial a cada cidadão está presente na Constituição Federal brasileira e garante bases jurídicas para afastar o conceito de sociedade “anti-social”.

社会科学
14/03/2022
Ligia Pires Pinto

Boaventura de Souza Santos nos ensina: temos o direito a ser iguais quando a nossa diferença nos inferioriza e temos o direito a ser diferentes quando a nossa igualdade nos descaracteriza. Isso é basilar para compreender como construir uma sociedade inclusiva, em que haja igualdade de oportunidades.

O mesmo autor define o fenômeno da desimaginação do social, ou “uma imaginação anti-social do social”. Segundo esta ideia, rechaçada por ele, numa sociedade de desigualdade natural-social entre os indivíduos, a responsabilidade coletiva pelos males da sociedade não existe. O que existe é um imaginário de que aqueles que não podem competir por aquilo que a sociedade não lhes oferece são culpados pela sua miséria ou vulnerabilidade. Nesse caso, a sociedade garante e concede oportunidades a quem “merece” – ou seja, quem tem acesso a formação e oportunidades.

Esta visão de sociedade – “anti-social” - se afasta da ideia de responsabilidade cidadã e da solidariedade social durante o convívio em sociedade, estabelecendo uma guerra (desigual) de todos contra todos, desconsiderando que nesta alguns estariam fortemente “armados”, outros não.

O estabelecimento de sociedade igualitária responsável coletivamente pelo mínimo existencial a cada cidadão está presente na Constituição Federal brasileira e garante bases jurídicas para afastar esse conceito de sociedade “anti-social”.

Nos últimos dias, muito se debateu na internet em função da seguinte fala da empresária Luiza Helena Trajano em duas entrevistas por ela concedidas: “se socialista é quem é a favor da igualdade social, sou socialista desde os 10 anos”. Ela foi cuidadosa ao conceituar a base de um pensamento social coletivista, expressando que é contra a desigualdade social, a favor do mínimo existencial e a construção de um país justo “a partir de premissas de liberdade, igualdade, democracia, educação e saúde para todos”.

Luiza explica na mesma entrevista que acredita que todos devem ter o mínimo (habitação, segurança alimentar e sistema público de saúde), resumido em “comida na mesa e uma casa para morar”, eis que “bem-estar é ter oportunidade de partida” para o alcance da dignidade humana.

É certo que a inexistência de políticas públicas nesse sentido coloca em perigo a saúde mental e física do cidadão. Ela atesta, com base empírica, descrevendo o que observa na sua empresa e ao seu redor. Baseia esses seus pensamentos num profundo desenvolvimento da empatia, que atribui a ter trabalhado um longo tempo no balcão, “trocando com o outro, no mundo do outro”. 

A capacidade de se colocar verdadeiramente no lugar do outro aliada a assunção de responsabilidade pela sociedade em que se vive, faz a empresária afirmar que não é candidata, mas é política e declara a meta pessoal de nunca se omitir diante dos graves problemas da sociedade brasileira. Foi o que a levou a constituir o que hoje é o maior movimento de mulheres do mundo, que une mais de cem mil delas.

Ela se declara a favor de cotas como método para atingimento de equiparações necessárias por males históricos causados a grupos sociais, como mulheres e negros, respeitando-os em suas diferenças e garantindo-lhes acesso a oportunidades.

A mim, parece que Luiza, do seu jeito e dentro do seu contexto, é adepta da ideia de Boaventura. Ela se nega a naturalizar a desigualdade e se faz presente auxiliando os mais vulneráveis, defendendo o mínimo existencial e o olhar para o outro (desde criança). Trata-se, em verdade, da defesa de ideias próximas do conceito de “bem-estar social”, que ela denomina uma visão socialista da sociedade (aquela contrária a visão “anti-social” acima mencionada pelo autor português).

É óbvio, ao ler toda a entrevista, sem tirar frases de contexto para desvirtuá-las, que isso em nada tem a ver com o socialismo utópico surgido na Revolução Industrial, nem tampouco o socialismo científico de Engels e Marx. É nítido que Luiza não propõe a extinção da propriedade privada nem a concessão de poder ao Estado para expropriar e dividir bens, mas busca um lugar comum de base dialética associada à busca do bem comum e da igualdade social. A empresária deixa ao intervencionismo estatal o que cita sempre em suas falas públicas (saúde, educação, condições de emprego para aquisição de moradia e incentivo à produção). Ela não se deixa rotular por ideais polarizados e defende publicamente, por exemplo, a privatização dos correios – o que se há de convir que é uma visão bastante privatista e liberal.

Se o socialismo nasceu como um sistema anticapitalista, hoje há muitas correntes que expressam divergências e trazem um discurso distinto daquele inicialmente criado para que o Estado controlasse a economia como um todo, até mesmo salários e preços.

Sendo uma das empresárias mais bem sucedidas do país, nem sequer essas correntes “atenuadas” ela parece defender. Aliás, quem defende democracia, liberdade e igualdade de oportunidades na mesma entrevista, por óbvio, não está defendendo regimes autoritários que garantem o mínimo existencial pelo controle da produção e das liberdades individuais.

No Programa Roda Viva já a ouvimos falar em favor de taxação de grandes fortunas (desde que empregadas com rigor em políticas de saúde e educação), defender o bolsa família para distribuição de renda, falas de garantia do mínimo existencial e de defesa de uma sociedade que veja sua Constituição Federal respeitada de fato e por meio de políticas públicas.

Tenho duas filhas, uma de 11 e outra de 7. Exerço minha maternidade exatamente como fez a família de Luiza Helena, que a criou para que fosse ferrenha na defesa da social democracia, potencial garantidora das mesmas oportunidades e do mínimo para uma existência digna a todos. Espero conseguir vê-las adultas com os exatos mesmos princípios, tão “socialistas” quanto os de Luiza.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information from your device and your browsing and uses technologies such as cookies to store it and enable features, including: improve the technical functioning of the pages, measure the website's audience and offer relevant products and services through personalized ads. For more information about this Portal, access our Cookie Notice and our Privacy Notice.