Os Preços livres dos combustíveis para uma transição energética segura

Os desafios contemporâneos estimulam o Brasil e o mundo a buscarem diferentes rotas tecnológicas, exemplificando: a inserção do gás natural liquefeito (GNL) em frotas pesadas; a eletrificação dos veículos leves; o desenvolvimento dos biocombustíveis avançados, entre outros fatores.

能源
11/04/2022
João Victor Marques Cardoso

Os preços dos combustíveis são um importante eixo de análise para, além da economia e suas projeções de crescimento e inflação, o planejamento do setor energético, que nos últimos meses tem sido desafiado mundialmente a conciliar a garantia da segurança do abastecimento e a transição para alternativas de baixa emissão de carbono.

No primeiro aspecto, a guerra na Ucrânia, as sanções impostas à Rússia e os consequentes riscos contra a oferta global de petróleo e gás natural dispararam as cotações internacionais dessas commodities. No segundo, o planeta enfrenta uma emergência climática contra a qual os países se comprometem a mitigar suas emissões de gases de efeito estufa mediante, entre outros, a transição no setor energético.

Diante dessas duas crises, geopolítica e climática, o planejamento energético difere entre os países. Diferentemente dos europeus, onde é necessário lidar com a predominância dos combustíveis fósseis na geração de energia elétrica e no aquecimento, no Brasil os choques externos impactam, sobretudo, o mercado de combustíveis para os transportes, sendo a continuidade do abastecimento o principal desafio à política energética nacional.

Além da importação de produtos derivados, como o diesel e a gasolina, para complementar a insuficiente capacidade das refinarias nacionais, o petróleo processado no parque de refino doméstico é uma mistura do óleo do pré-sal brasileiro e do blend mais leve importado do Oriente Médio. Logo, cabe aos preços mais altos na bomba garantir a manutenção desse suprimento e o equilíbrio entre a oferta e a demanda nacional. Além disso, a cadeia de valor na qual as companhias de petróleo e gás estão inseridas, entre elas a Petrobras, é globalizada e, portanto, os investimentos são definidos de acordo com o preço do barril de petróleo negociado no mercado internacional. Em outras palavras, são os preços que garantem os negócios e, por conseguinte, a viabilidade do fluxo “poço ao posto”.

Destaca-se que no Brasil completaram-se 20 anos de preços livres no mercado de combustíveis, após ter sido concluído, em 2002, um período transitório inaugurado pela Lei do Petróleo (Nº 9.478/1997). Considerada o baluarte da abertura do setor de petróleo e gás no país, esse marco legal não alterou automaticamente a realidade do setor, pois, ainda que preveja a promoção da livre concorrência, a atração de investimentos e a proteção do consumidor quanto a preço, qualidade e oferta dos produtos, esses avanços dependem das condições reais do mercado para fomentar novos contratos por novos atores. Entre essas condições, uma política transparente de preços, que garanta ao investidor a previsibilidade para definir suas estratégias e competir com seus produtos, de origem fóssil ou não, no mercado.

Os choques externos do petróleo permitiram, historicamente, ao Brasil ter experiência em minimizá-los com políticas públicas e investimentos em alternativas limpas, como foi o caso do desenvolvimento do biocombustível da cana-de-açúcar e a inserção do gás natural veicular (GNV). Ao mesmo tempo, os choques estimularam o país a buscar pela autossuficiência na produção petrolífera, que hoje desponta uma intensa atividade exploratória em campos offshore de águas profundas. Portanto, o Brasil é, hoje, mais resiliente aos choques, o que não significa ao planejamento energético nacional uma posição confortável para ignorar oportunidades geradas pela crise geopolítica e climática, e se esquivar do imenso potencial energético capaz de garantir duplamente a segurança e a transição necessárias.

Os desafios contemporâneos estimulam o Brasil e o mundo a buscarem diferentes rotas tecnológicas, exemplificando: a inserção do gás natural liquefeito (GNL) em frotas pesadas; a eletrificação dos veículos leves; o desenvolvimento dos biocombustíveis avançados; o uso do biogás e biometano; a amônia para o setor marítimo e os combustíveis de aviação sustentáveis, considerados meios de transporte de difícil descarbonização; futuramente, as células de hidrogênio; entre outros campos da transição para além das fontes, como a eficiência e a digitalização dos processos operacionais.

Controlar artificialmente os preços de combustíveis fósseis implicaria, então, afugentar alternativas para uma economia descarbonizada, incluindo investimentos das próprias companhias de óleo e gás em negócios de baixo carbono. A Petrobras, por exemplo, vai destinar US$2,8 bilhões até 2026. Em um futuro no qual exista maior diversidade e complementariedade de combustíveis sendo ofertados no mercado, há menor vulnerabilidade à dominância do petróleo na matriz energética nacional e global. Neste cenário, os preços do etanol no Brasil não mais flutuariam em função do maior ou menor consumo de gasolina, pois existirão mais combustíveis alternativos e mais veículos tecnologicamente adaptáveis, como os híbridos flex.

Dessa forma, a livre flutuação dos preços, além de preservar a segurança energética, estimula a competição interenergética, favorecendo uma transição capaz de agregar alternativas diversas e complementares no mercado de combustíveis. Para além da relevância do aspecto ambiental/climático, a transição precisa ser economicamente viável e, por tal, não pode ser socialmente excludente.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).