Por que devemos falar sobre a valorização de Comunidades e Povos Tradicionais no Brasil?

O tema da redação do ENEM: “Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil”, levanta um debate de extrema importância na atualidade, que envolve aspectos sobre territorialidade, sustentabilidade e direitos humanos.

社会科学
23/11/2022
Bianca Luiza Freire de Castro França

Nos dias 13 e 20 de novembro ocorreu a edição 2022 do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). O exame, criado em 1998 para avaliar a qualidade do ensino médio no Brasil, atualmente é porta de entrada para diversas universidades públicas e privadas no país, e para algumas universidades estrangeiras.

Segundo dados do INEP, 2,3 milhões de candidatos fizeram as provas este ano. O tema da redação: “Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil”, levanta um debate de extrema importância na atualidade, que envolve aspectos sobre territorialidade, sustentabilidade e direitos humanos.

É preciso ter em mente a legislação e diferenciar o que são povos tradicionais e povos originários
 

O tema chama atenção pela complexidade de sua abordagem. Os muitos caminhos possíveis para tratar dos desafios da valorização dos Povos e Comunidades Tradicionais (PCT’s) no Brasil, podem levar os participantes do ENEM, e a sociedade de forma geral, a confundir informações por falta de repertório sociocultural.

Saber das legislações, conseguir diferenciar Povos Originários de Povos e Comunidades Tradicionais e conhecer os principais conflitos vivenciados por esses grupos, é o principal desafio para o fomento da pauta.

O principal equívoco em relação à temática é restringir a discussão apenas aos povos indígenas. Apesar de estarem listados entre os Povos e Comunidades Tradicionais, os povos indígenas são também Povos Originários brasileiros. Isso quer dizer que são Povos e Comunidades Tradicionais que já estavam em território brasileiro muito antes de sua “descoberta”. Segundo o Censo 2022, atualmente, há 896.900 indígenas no Brasil, pertencentes a 305 etnias ou povos e falantes de 274 línguas.

A definição de Povos e Comunidades Tradicionais, segundo o artigo 3 do Decreto n. 6.040 de 2007, que institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais, é:

Povos e Comunidades Tradicionais são grupos culturalmente diferenciados e que se reconhecem como tais, que possuem formas próprias de organização social, que ocupam e usam territórios e recursos naturais como condição para sua reprodução cultural, social, religiosa, ancestral e econômica, utilizando conhecimentos, inovações e práticas gerados e transmitidos pela tradição.

Além dos povos indígenas, são listados 27 povos e comunidades tradicionais no Brasil: Andirobeiras; Apanhadores de Sempre-vivas; Caatingueiros; Catadores de Mangaba; Quilombolas, Extrativistas, Ribeirinhos, Caiçaras, Ciganos, Povos de terreiros, Cipozeiros, Castanheiras; Faxinalenses; Fundo e Fecho de Pasto; Geraizeiros; Ilhéus; Isqueiros; Morroquianos; Pantaneiros; Pescadores Artesanais; Piaçaveiros; Pomeranos; Quebradeiras de Coco Babaçu; Retireiros; Seringueiros; Vazanteiros; e Veredeiros.

O artigo 215 da Constituição de 1988 assegura a proteção às manifestações culturais indígenas, afro-brasileiras e dos Povos e Comunidades Tradicionais:

Art. 215. O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais.

§ 1º O Estado protegerá as manifestações das culturas populares, indígenas e afrobrasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civilizatório nacional.

2º A lei disporá sobre a fixação de datas comemorativas de alta significação para os diferentes segmentos étnicos nacionais.

3º A lei estabelecerá o Plano Nacional de Cultura, de duração plurianual, visando ao desenvolvimento cultural do País e à integração das ações do poder público que conduzem à:

I defesa e valorização do patrimônio cultural brasileiro;

II produção, promoção e difusão de bens culturais;

III formação de pessoal qualificado para a gestão da cultura em suas múltiplas dimensões;

IV democratização do acesso aos bens de cultura;

V valorização da diversidade étnica e regional.

 Há ainda, dentre a legislação pertinente, a Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais, assinada em 2007, determinado seu 

cumprimento pelo Decreto n. 6.177 de agosto de 2007, que destaca a importância dos conhecimentos tradicionais e sua contribuição para o desenvolvimento sustentável, devendo ser assegurada sua proteção e promoção. Temos ainda o Estatuto da Igualdade Racial, instituído pela Lei 12.288 de julho de 2010, destinado a garantir a população negra a efetivação da igualdade de oportunidades, a defesa dos direitos étnicos individuais, coletivos e difusos e o combate à discriminação por critérios étnico-raciais.

Os mecanismos legislativos são essenciais para que os direitos estabelecidos a essas pessoas sejam compreendidos como bases de promoção de políticas públicas em prol das comunidades tradicionais.

A relevância do tema para a discussão contemporânea
 

Ter em mente quais são os PCT’s e conhecer a legislação que os protege contribui para que a sociedade de uma forma geral, e não apenas os estudantes que realizaram o ENEM, possa refletir sobre o desafio de valorizar esses povos, as causas da dificuldade dessa valorização no nosso país e as consequências dessa não valorização, não só para os povos em questão, mas para a sociedade de uma forma geral.

Comunidades tradicionais historicamente ocupam territórios ameaçados pelo setor agropecuário, pelo garimpo, pelo desmatamento ou pela exploração desenfreada da fauna, flora e recursos hídricos. Esses povos, ao contrário, contribuem para a preservação da conservação desses territórios e manutenção da biodiversidade.

A abordagem da temática da valorização dos Povos e Comunidades Tradicionais nos permite também refletir sobre a inserção dessas pessoas nos espaços de produção de conhecimento, como as universidades, atuando na produção científica sobre a relação humana com os recursos naturais; refletir sobre a violência e o esquecimento aos quais são relegados; e sobre a representação política desses povos, a fim de ampliar o olhar para múltiplas formas de vida e vivências.

Não é possível valorizar, proteger e divulgar aquilo que não conhecemos. Portanto, discutir sobre a valorização dos Povos e Comunidades Tradicionais é fomentar a preservação da memória do nosso povo. Como disse o líder jamaicano Marcus Garvey: “Um povo sem conhecimento da sua história, origem e cultura é como uma árvore sem raízes”.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information from your device and your browsing and uses technologies such as cookies to store it and enable features, including: improve the technical functioning of the pages, measure the website's audience and offer relevant products and services through personalized ads. For more information about this Portal, access our Cookie Notice and our Privacy Notice.