Exposição “A quarta geração construtiva no Rio de Janeiro” recebe novas obras

Adriana Varejão e Beatriz Milhazes estão entre os artistas que passam a integrar a exposição
机构
19 一月 2024
Exposição “A quarta geração construtiva no Rio de Janeiro” recebe novas obras

Em cartaz desde setembro de 2023, na FGV Arte, um espaço de experimentação e pesquisa artística da Fundação Getulio Vargas, a exposição “A quarta geração construtiva no Rio de Janeiro”, receberá novas obras. O curador, Paulo Herkenhoff, traz nomes de peso como Adriana Varejão e Beatriz Milhazes para refirmar a complexidade e potência do que chamou de “quarta geração construtiva”: “Trata-se de um processo vivo, em andamento, aberto a novas descobertas e uma prova de que o trabalho curatorial não se encerra no dia da inauguração de uma mostra”. O espaço, que estava fechado para reparos, reabre no dia 19 de janeiro.

Os artistas que passam a compor a exposição surpreenderam com seus programas e irão ampliar as questões plásticas e políticas do conjunto proposto. Além de Adriana Varejão, com uma Roda de cores que celebra as diversas cores e identidades brasileiras, e Beatriz Milhazes, que incorpora a festividade das cores na cidade do Rio de Janeiro, estarão Antonio Ton, que recorre ao desenho de quadras esportivas para fazer uma intervenção que coloca em pauta o diálogo com a juventude periférica; Élle de Bernardini, que cruza geometria e ritmos visuais com questões de gênero; Júlia Otomorinhori'õ Xavante, a(r)tivista indígena da aldeia Maracanã, que utiliza técnicas ancestrais para reivindicar o presente;  Miguel Afa, que homenageia as pipas e a alegria das crianças do Rio e Bob N, que trabalha acrícula sobre tela ao rearticular a geração construtiva brasileira. As obras desses artistas se integram àquelas que já compõem a exposição A quarta geração construtiva no Rio de Janeiro.

A exposição

A mostra A Quarta geração construtiva no Rio de Janeiro reúne, agora, 57 artistas cariocas de origem, de adoção ou visitantes marcados pela cidade, sem limite geracional ou de linguagem. Sob curadoria de Paulo Herkenhoff, que definiu a cidade no século XXI “com novas perspectivas no campo social de circulação da obra de arte”, o conceito de “quarta geração construtiva” se refere a um momento de “maior abertura experimental da relação com a matemática, a topologia, o número, o acaso e os improvisos, os desastres e a crise do poder, num emaranhado de agendas políticas e conceituais, processos de subjetivação, explosão do olhar da periferia, novo ethos, crítica institucional, geometria sensível da América Latina, introdução de signos materiais inauditos da arte, o quase nada e o zero”.

FGV Arte

Localizada na sede da FGV, em Botafogo, no Rio de Janeiro, a FGV Arte é um espaço voltado à valorização, à experimentação artística e aos debates contemporâneos em torno da arte e da cultura que busca incentivar o diálogo com setores mais criativos e heterogêneos da sociedade. A iniciativa pretende conectar, a partir de projetos artísticos, as próprias escolas da FGV, tais como a Escola de Comunicação, Mídia e Informação (ECMI), o Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) e a Escola de Matemática Aplicada (EMAp). A iniciativa prevê ainda seminários, oficinas metodológicas e cursos práticos de formação para as artes.

Local:
Praia de Botafogo, 190

Horário:
Segunda a sexta, das 10h às 20h. Sábado e Domingo, das 10h às 18h

Esse site usa cookies

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação e utiliza tecnologias como cookies para armazená-las e permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações, acesse o nosso Aviso de Cookies e o nosso Aviso de Privacidade.