Falta de planejamento e regulação deteriorada ameaçam ampliação da infraestrutura brasileira

机构
21 七月 2011

Os especialistas reunidos no seminário ?Oportunidades e Desafios da Infraestrutura no Brasil?, realizado no IBRE/FGV no último dia 18, demonstraram-se pessimistas quanto à possibilidade de o Brasil sanar os atuais gargalos do setor evitando outros futuros. ?Hoje não temos planejamento adequado. Estão fazendo obras aos trancos e barrancos, sem sentido de prioridade?, afirmou Claudio R. Frischtak, presidente da Inter. B Consultoria Internacional de Negócios. ?Ouvi de um responsável direto no plano federal pelos jogos (Copa do Mundo e Olimpíadas) a seguinte afirmação: veremos os estádios; mobilidade? No último caso, dá férias coletivas, isso se resolve na cidade. Ou seja, admitindo que estaríamos repetindo a experiência da Grécia?, afirmou, referindo-se às Olimpíadas de Atenas, em 2004, marcada por atrasos em obras e explosões orçamentárias. ?Outro caso emblemático de desperdício é o de Atlanta, nos EUA; e se isso acontece, nós é que teremos que pagar?, avalia Frischtak. No evento, Frischtak explicou que há um deterioramento na qualidade da regulação, o que dificulta a atração de capital privado para os projetos. ?Nos últimos anos, houve uma confusão conceitual: se achava que as agências estavam fazendo política pública, e isso elas não fazem. Isso gerou uma ambiguidade, e uma das reações foi querer cortar-lhe as asas?, afirmou, criticando ainda as indicações políticas para cargos nessas instituições. O economista destacou o baixo nível de investimento em infraestrutura em relação ao PIB ? uma média de 2,6% entre 2008 e 2010, contra cerca de 13,4% da China no ano passado, e 4,8% da Índia, na média entre 2009 e 2010 ? indicando a necessidade de mitigar incertezas regulatórias para envolver o setor privado no processo. Já Helcio Tokeshi, diretor da Estruturadora Brasileira de Projetos (EBP), destacou que a decisão de obras de infraestrutura ? atrelada ao financiamento de campanha política ? é outro fator que joga contra o planejamento correto de obras. ?Uma vez eleito o candidato que foi financiado de forma significativa por esses interessados, se não houver um estudo pronto, ele se depara com o seguinte dilema: se tentar fazer de forma correta, verificando a demanda, fazendo a modelagem, quando chegar ao final de três anos e meio ele se dará conta de que tem o estudo e só se for reeleito conseguirá implementá-lo?, afirmou. ?Assim, entre ter e não ter, e é do interesse público tê-la, o político pode ser pragmático e resolva contratar daquele jeito. E essa é a nossa dificuldade: como criar um ambiente em que tenhamos agentes públicos e espaço para planejar?, disse Tokeshi. ?Por isso, teremos que achar uma forma mais inteligente e transparente de financiamento de campanha?, analisa. Tokeshi, da EBP ? espécie de parceria público-privada entre oito bancos e o BNDES para incentivar mais PPPs no país ?, fez um balanço exclusivo à Conjuntura Econômica de julho sobre o avanço das parcerias públicos privadas no Brasil. A íntegra da entrevista pode ser conferida na próxima edição da revista ou através do site www.conjunturaeconomica.com.br nesta semana.

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).