O coronavírus destruindo demanda 

A Goldman Sachs estima que a demanda deva cair 18,7 milhões de barris por dia em todo o mundo no próximo mês, causando um choque sem precedentes para o sistema refinador global. Como não há demanda e os estoques se aproximam do limite físico, muitas refinarias não terão outra alternativa a não ser parar a produção. 

Energy
02/04/2020
Fernanda Delgado

Entre pandemia, recessão e quarentena, o preço do petróleo no mercado internacional atingiu seu ponto mínimo de 22 dólares por barril, menor valor em 18 anos. O não consenso entre os membros da coalisão OPEP+ levou a uma retaliação por parte da Arábia Saudita que inundou o mercado de óleo, jogando os preços para baixo, levando sua produção a 12,3 milhões de barris por dia. 

Importante frisar que essa estratégia do reino saudita de jogar a produção para cima e os preços para baixo faz parte de sua antiga diplomacia bizantina de não-guerra que força os adversários a voltarem a mesa de negociação e à cederem à sua vontade.  A esta altura da crise que se alastra pelo mundo, mesmo que haja um alinhamento entre Árabes e Russos isso só resolveria 40% da crise, mas teria um efeito psicológico muito significativo nos mercados, imprimindo ânimo e fôlego. E isso poderia ser resolvido com um telefona entre as partes, que reduziria a crise de superoferta, removendo este componente da equação-crise econômico, politico e social atual.

De igual maneira, a queda da demanda por combustíveis, associada à pandemia tem causado um grande problema aos refinadores de petróleo. Além da menor circulação de pessoas e automóveis nas principais cidades, o tráfego aéreo mundial caiu em 46%. Estimam-se 3 bilhões de pessoas em lockdown atualmente, o que arrefeceu a demanda em mais de 30%.

A aguda queda no consumo de gasolina levou, já na semana passada, às primeiras paradas de unidades de processo e plantas inteiras de refino. Na Itália, a refinaria de Ancona, de 85 mil barris por dia, foi parada. A gigante indiana, Reliance, já anunciou que pretende reduzir a produção em abril, acompanhando outros refinadores indianos que já pararam ou fizeram cortes de produção. Nos EUA, a Exxon parou uma unidade de produção de gasolina da refinaria de Baytown, a maior da empresa no país. E ainda virão mais cortes por aí. 

A Goldman Sachs estima que a demanda deva cair 18,7 milhões de barris por dia em todo o mundo no próximo mês, causando um choque sem precedentes para o sistema refinador global. Como não há demanda e os estoques se aproximam do limite físico, muitas refinarias não terão outra alternativa a não ser parar a produção. 

No Brasil, em um período de depressão dos preços do petróleo, o que se esperaria é que a gasolina e o diesel nas bombas dos postos tivesse uma redução, pelo menos, semelhante. Entretanto, segundo levantamento da ANP, o diesel caiu apenas 4,6% nas últimas quatro semanas, contra redução de 2,89% da gasolina no mesmo período. O sistema de abastecimento nacional, composto de distribuidoras, postos revendedores e transportadores não tem repassado o ajuste das refinarias da Petrobras na mesma velocidade, que já acumula redução de mais de 40% desde o início de março. E não há ilegalidade alguma nisso. A expectativa é de que agora, com queda de mais de 60% no consumo de gasolina nos centros urbanos nos últimos dias de março, a demanda em franca queda por causa do lockdown, este repasse demore ainda mais para acontecer, servindo como sustentação aos custos de manutenção da cadeia.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).