64 países, que representam mais de 60% da economia mundial, devem apresentar o pior desempenho econômico das últimas décadas

As incertezas atualmente são muito altas ainda, e as notícias e projeções de agora não são nada boas, tanto para a economia mundial quanto para a economia brasileira nesse ano

Economics
30/04/2020
Marcel Balassiano

Essa pandemia do coronavírus, uma crise de saúde que tem impactos na economia, começou na China, e se espalhou por praticamente o mundo inteiro. Como surpresa, talvez, os três países mais impactados (em número de infectados e de mortes) são países fortes e importantes (EUA, Itália e Espanha), que representam 18,1% do PIB mundial (US$, PPP).[1]

Saber a dimensão da crise econômica ainda é muito difícil, dada as inúmeras incertezas em torno disso tudo. Porém, recentemente, foi divulgado pelo FMI, na sua reunião semestral de abril, o World Economic Outlook, com projeções para algumas variáveis macroeconômicas,[2] entre elas a taxa real de crescimento do PIB, para esse conturbado ano de 2020. Para o PIB mundial, o FMI projeta um recuo de 3,0%. Em 2009, no contexto da crise financeira internacional, a economia mundial ficou estagnada (-0,1%). A base de dados do FMI tem início em 1980.

Pois bem, ao se pegar todos os países com projeções disponíveis para 2020 (193, no total), 33% (ou 64 países) apresentarão a pior taxa real de crescimento do PIB desde o início da série histórica, em 1980. Essa crise é muito forte, e está atingindo praticamente o mundo inteiro. Porém, países mais pobres, emergentes, e até alguns desenvolvidos, já passaram por crises econômicas com quedas mais fortes do PIB, por isso essa taxa de 1/3 dos países.

Ao se dividir entre economias avançadas e emergentes, essa diferenciação fica mais clara ainda, pois 80% dos países avançados (31 em 39)[3] vão apresentar o pior crescimento econômico dos últimos 40 anos. Já entre os emergentes, o crescimento do PIB de 2020 será o pior desde 1980 para “apenas” 21% dos países (33 em 155).[4] Só que é importante ressaltar também que esses 31 países avançados representam 34% da economia mundial (em US$, PPP). Entre os emergentes, tem a China, que tem o peso de 19,2% na economia mundial, e os outros 32 países somados representam 8,1%. Ou seja, os 64 países (33% do total), que vão apresentar o pior desempenho da economia desde 1980, de acordo com as projeções do FMI, representam 61,2% da economia mundial. Ainda segundo as projeções do fundo, as economias avançadas vão recuar 6,1% esse ano. Já a queda dos países emergentes deve ser de 1,0%. Tanto para as economias avançadas quanto emergentes, a pior taxa de crescimento da série histórica. Em 2009, no contexto da crise financeira internacional, o recuo do PIB dos países avançados foi de 3,3%. Já as economias emergentes cresceram 2,8%, número inferior à média histórica até então (1980-2009), de 4,3%, e da média histórica até 2019, de 4,5%.

Nas economias avançados, um país que não está nessa lista de pior crescimento é o Japão, que, segundo o FMI, o PIB vai recuar 5,2% esse ano. Em 2009, como reflexo da crise internacional, a queda foi de 5,4%. No G7 (Alemanha, Canadá, EUA, França, Itália, Japão, e Reino Unido), o Japão é o único país que em 2020 não deve ser o ano com o menor crescimento econômico desde 1980. Dentre os 19 países da Zona do Euro, 14 vão apresentar o pior desempenho econômico desde 1980. Chipre, Estônia, Finlândia, Letônia e Lituânia são os cinco países que já apresentaram um crescimento menor do que o projetado em 2020. Porém, esses cinco países juntos representam 0,4% do PIB mundial, e 3,1% do PIB da zona do euro.

Dentre os BRICS, por exemplo, Rússia e Índia não estão nessa lista de pior crescimento. O PIB da Rússia, que tem um peso de 3,1% na economia mundial, vai cair 5,5% em 2020, segundo o FMI. Em 1994, ano da Crise do México, que afetou os emergentes, o PIB russo recuou 12,7%, máximo da série histórica. Em 1998, na crise da moratória russa, a queda da economia da Rússia foi de 5,3%. Em 2009, com a crise financeira internacional, a queda foi de 7,8%, também superior à projeção desse ano. Já a Índia, que tem um peso de 8,0% na economia mundial, vai crescer, em termos reais, 1,8%, segundo as projeções do FMI. A menor taxa de crescimento indiana foi em 1990, de 1,1%, fruto de fatores externos (colapso da União Soviética, maior parceiro comercial indiano; oscilações fortes no preço do petróleo, com guerra do Golfo, provocando uma crise no balanço de pagamentos; entre outros).

Já entre países da América Latina, há exemplos de países que em 2020 não vai ser o pior ano de crescimento do PIB. A Argentina, que segundo o FMI vai ter uma perda de 5,8% do PIB em 2020, já chegou a recuar 10,9% em 2002, durante a crise econômica de lá, em que houve quatro anos de recuo do PIB (1999-2002). Em 2009, na crise financeira internacional, o PIB argentino caiu 5,9%, número próximo da projeção de 2020. Para o Chile, o fundo projeta uma queda de 4,9% do PIB para esse ano. Em 1982, o PIB chileno caiu 13,6%, ano em que houve uma forte crise no Chile. Em 2009, o PIB caiu 1,5%. A projeção para a Colômbia é de um PIB de -2,4% em 2020. A maior queda (-4,2%) foi em 1999, fruto de efeitos locais, do efeito “desnarcotização” (com o desmantelamento dos cartéis de Cali e Medellín, uma parte do comércio da droga passou para as mãos de outras máfias, em especial a mexicana). O PIB peruano deve recuar 4,5% esse ano, segundo o FMI, sendo que a perda máxima de atividade econômica foi em 1989, com uma queda de 13,4%, época da hiperinflação no Peru, fenômeno também conhecido em outros países latino-americanos, o Brasil inclusive. A Venezuela, talvez o país latino-americano com a pior confiabilidade dos dados e eficácia das projeções, vai recuar 15,0% em 2020, após uma perda de PIB de 35,0% no ano passado; -19,6% em 2018; -15,7% em 2017; e -17,0% em 2016.

Já o México, assim como o Brasil, vai apresentar o pior desempenho econômico, em termos de crescimento do PIB. Para o FMI, o PIB do México vai recuar 6,6%. Em 1995, com a crise do México, o PIB mexicano recuou 6,3%. Para o Brasil, enquanto o FGV IBRE projeta um recuo de 3,4%, o FMI projeta uma perda de PIB de 5,3%. Caso esse cenário do FMI se confirme, será a pior taxa da história brasileira, segundo dados do Ipeadata,[5] pior do que o resultado anual de 2015 e 2016, o biênio de crescimento negativo da última recessão brasileira, fruto de erros de política econômica da chamada “Nova Matriz Econômica”. A pior queda do PIB brasileiro foi de 4,3%, mesma taxa de 1981 e 1990. Em 1981, no início da década que ficou conhecida como “década perdida”, devido ao péssimo desempenho econômico, numa época de inflação alta e até hiperinflação no final dos anos 1980 e começo de 1990. Porém, a década foi perdida em termos econômicos, mas bastante positiva, pela volta da democracia. Já em 1990, além dos problemas de inflação, foi o ano do Plano Collor, com o confisco da poupança.

Então, as incertezas atualmente são muito altas ainda, e as notícias e projeções de agora não são nada boas, tanto para a economia mundial quanto para a economia brasileira nesse ano, infelizmente. Tomara que essa crise passe logo, com o menor impacto possível, tanto em questões de saúde quanto na parte econômica, e que todos possamos voltar à “maior normalidade” possível em breve!


[1] Dados de 2019, divulgados no WEO de out/19, pois não houve atualização no WEO de abr/20. EUA = 15,0%; Itália = 1,7%; Espanha = 1,4%.

[2] Bem menos projeções (número de variáveis e anos futuros) do que geralmente divulgam, em função das incertezas dessa crise.

[3] Os 31 países avançados são: Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Cingapura, Dinamarca, Eslovênia, Espanha, EUA, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Islândia, Israel, Itália, Luxemburgo, Macau, Malta, Noruega, Nova Zelândia, Porto Rico, Portugal, República Eslovaca, República Tcheca, São Marinho, Suécia, Suíça, Taiwan e Reino Unido.

[4] Os 33 países emergentes são: Afeganistão, África do Sul, Aruba, Bahamas, Bahrein, Bangladesh, Barbados, Bielorrússia, Belize, Bósnia e Herzegovina, Brasil, Cabo Verde, China, Croácia, Equador, Geórgia, Granada, Jamaica, Kosovo, Lesoto, México, Montenegro, Myanmar, Namíbia, Nigéria, Paquistão, Palau, Seychelles, Somália, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas e Tunísia.

[5] A base de dados do Ipedata começa em 1901. Já a base de dados do FMI tem início em 1980.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).