56% dos brasileiros têm dificuldade de equilibrar atividades profissionais e pessoais no isolamento social

O levantamento constatou ainda que para 45,8% houve aumento da carga de trabalho após o isolamento, enquanto 31% mantiveram a mesma carga e 23% dos respondentes afirmaram que diminuíram
Institutional
08 May 2020
56% dos brasileiros têm dificuldade de equilibrar atividades profissionais e pessoais no isolamento social

O Centro de Inovação (FGVin) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (FGV EAESP) fez uma pesquisa sobre o home office durante o isolamento social para conter a COVID-19. Entre os resultados, 56% dos entrevistados afirmaram que encontraram muita dificuldade ou dificuldade moderada em equilibrar as atividades profissionais e pessoais. O levantamento constatou ainda que para 45,8% houve aumento da carga de trabalho após o isolamento, enquanto 31% mantiveram a mesma carga e 23% dos respondentes afirmaram que diminuíram.

O aumento da carga de trabalho está diretamente relacionado à faixa salarial, segundo o levantamento. Para 52,8% dos respondentes que recebem acima de 15 salários mínimos, houve esse aumento de demanda. Enquanto para mais da metade (51,5%) dos que recebem menos de três salários mínimos houve queda no horário de expediente.

O levantamento revela ainda que a capacidade de concentração tem relação direta com a questão da estabilidade no emprego. A maioria dos respondentes (45,8%) afirmou não estar confiante de que permanecerá empregada nos próximos 12 meses e tem mais dificuldade de manter o foco no seu cotidiano. Entre aqueles que não estão confiantes, mas também não desconfiam que permanecerão empregados, o índice é de 30,9%. Já os que confiam que estarão empregados, o número é de 34%.

Em relação à Geração, o trabalho remoto também possui distintos impactos. Por mais que os Baby Boomers (nascidos entre 1940 e 1960) não sejam nativos digitais, a pesquisa indicou que essa geração é a que está lidando melhor com o trabalho no isolamento social. Os respondentes da Geração X (nascidos entre 1960 e 1980) e Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995) indicaram o mesmo padrão de dificuldade em relação aos desafios do trabalho remoto. Por fim, a Geração Z (nascidos entre 1995 e 2010) é a que mais está sofrendo com as mudanças exigidas pelas circunstâncias atuais.

Outro fator que influi na produtividade no período de trabalho em home office é o porte da empresa em que os entrevistados atuam. Para 49,6% dos funcionários de multinacionais, manter a produtividade tem sido fácil. Uma possível explicação para o resultado é que empresas multinacionais costumam ter processos de trabalho mais definidos e constantes. Quando se trabalha em empresas nacionais, manter a produtividade tem sido fácil para 42,7% dos respondentes. Já para aqueles que atuam especificamente em startups, 32,5% consideraram tranquilo. O que pode explicar esta diferença é o fato de que o trabalho realizado pelos funcionários de startups é mais suscetível a alterações repentinas de escopo, o que pode ser amplificado em um momento de instabilidade econômica.

A pesquisa é uma iniciativa do FGVin com o apoio da Liga Ventures - Aceleradora Corporativa. A coleta de dados foi realizada entre os dias 13 e 27 de abril e teve um total de 464 respondentes.

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).