Relação entre o transporte rodoviário de carga e PIB pode chegar a 29%, segundo cálculos da FGV

“O transporte rodoviário de carga é considerado essencial e não foi interrompido com as medidas de isolamento social. Aliás, o pouco que a economia tem desempenhado e deve continuar desempenhando neste trimestre passa pelas estradas do país", pondera Juliana Trece, do FGV IBRE
Economics
11 May 2020
Relação entre o transporte rodoviário de carga e PIB pode chegar a 29%, segundo cálculos da FGV

O peso do transporte rodoviário de carga é estimado em torno de 1,4 ponto percentual (p.p.) do PIB, considerando análise das contas nacionais entre 2010 e 2017. Mas o impacto do setor na economia pode ser em torno de 29%, porque esse modal permite que haja interligação entre mercados produtores e consumidores, fazendo com que a economia flua. Nesse contexto, em que boa parte das atividades do país está paralisada, a economia brasileira tem passado pelas estradas, que se tornaram ainda mais fundamentais nesse momento para garantir o abastecimento da população e o acesso aos bens essenciais. Devido à complexidade de mensuração, esse impacto pode ser ainda mais elevado porque este modal está presente no processo produtivo de praticamente todas as atividades econômicas.

Para compreender melhor a relevância do setor nesse período, a economista Juliana Trece, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia (FGV IBRE), verificou a participação no PIB do valor adicionado das atividades mais impactadas pelo transporte terrestre de carga. Das 68 atividades que compõem a economia, 37 foram analisadas por aparentarem ser mais relevantes, seja na fase inicial do transporte dos insumos para serem transformados ou na fase final, em que a produção é escoada para o mercado consumidor.

“O transporte rodoviário de carga é considerado essencial e não foi interrompido com as medidas de isolamento social. Aliás, o pouco que a economia tem desempenhado, e deve continuar desempenhando neste trimestre, passa pelas estradas do país. Porém agora, dois anos após a greve dos caminhoneiros, torna-se ainda mais fundamental por atender todos os demais setores”, ponderou a especialista.

Em 2018, quando os caminhoneiros pararam entre maio e início de junho, por um período em torno de suas semanas, a mediana da expectativa de crescimento do PIB reduziu de 2,5% poucas semanas antes da greve, para 1,6% um mês após o evento, fechando em 1,1% em dezembro.

“A atual crise gerada pela Covid-19 difere das anteriormente vivenciadas no Brasil por ter origem fora do âmbito econômico (é uma crise de saúde), mas ter efeitos significativos na economia. Há ainda muita incerteza sobre o tamanho do impacto negativo do PIB para este ano. Como é esperada uma forte retração, muito provavelmente a atividade de transporte terrestre (carga + passageiros) também deve arrefecer, dada a alta correlação entre este setor com o PIB.”, finalizou

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).