Empobrecimento Relativo do Brasil nas Últimas Décadas

Apesar do aumento do nível do PIB per capita nas últimas décadas, em termos relativos, o Brasil ficou para trás numa comparação com os outros países do mundo, mostrando um empobrecimento relativo do Brasil nas últimas décadas

Economics
04/08/2020
Marcel Balassiano

O PIB per capita brasileiro[1] chegou ao máximo de US$ 15,6 mil em 2013, e caiu para US$ 14,3 mil em 2016, no último ano da recessão brasileira de 2014/16. Após fechar o ano passado em US$ 14,5 mil, numa recuperação lenta e gradual, deve cair para US$ 13,6 mil neste ano, segundo as projeções do FMI, valor próximo dos anos 2007, 2008 e 2009.[2]

Pelo Gráfico 1, observa-se a clara tendência de aumento do PIB per capita brasileiro desde a década de 1980, onde foi próximo de US$ 10 mil no seu ponto mais baixo, em 1983. Mas pode-se verificar três quedas nesta série, como o recuo do PIB per capita no começo da década de 1980, período que ficou conhecido como “década perdida”. No início dos anos 1990, período da hiperinflação brasileira e do confisco da poupança, com o Plano Collor, também houve uma retração do nível da renda per capita brasileira. E, finalmente, durante a recessão brasileira de 2014/16, onde houve o pior biênio de crescimento econômico dos últimos 120 anos no Brasil. Para 2020, em função da crise atual do coronavírus, o FMI projeta que o PIB per capita brasileiro recue para US$ 13,6 mil.

Nível do PIB Per Capita no Brasil

Além de se olhar somente para o nível do PIB per capita do Brasil, uma forma de se verificar como foi a evolução relativa do Brasil, em comparação com o resto do mundo, é observar a proporção de países com o nível da renda per capita maior do que o brasileiro, ao longo do tempo. O Gráfico 2 mostra isto. Assim como a tendência do nível do PIB per capita ao longo das últimas décadas foi de crescimento, a proporção de países com o nível de renda superior ao brasileiro também foi crescente. No período 1981-90, a média de países com PIB per capita maior do que o Brasil era de 36%, número próximo da década seguinte (1991-2000). Nos anos 2000 (2001-10), a proporção passou para 38%. E na década atual (2011-20), “mais perdida” do que a chamada “década perdida”[3], que contou com a forte recessão de 2014/16, recuperação lenta e gradual de 2017/19 e crise do coronavírus de 2020, que estamos passando atualmente, a proporção foi de 42%. Em 2013, antes da crise brasileira, 39% dos países tinham um nível de renda maior do que o brasileiro, tendo aumentado para 43% no final da recessão em 2016. Com base nas projeções do World Economic Outlook, do FMI, em 2020, a proporção deve ser de 44%.

Proporção de países com PIB per capita maior que o do Brasil

Então, apesar do aumento do nível do PIB per capita nas últimas décadas, em termos relativos, o Brasil ficou para trás numa comparação com os outros países do mundo, mostrando um empobrecimento relativo do Brasil nas últimas décadas. Passando esta crise do coronavírus, o Brasil precisa reverter este quadro, com a continuidade da agenda de reformas. Afinal, a perda econômica da recessão de 2014/16, fruto de erros de política econômica; da recuperação lenta e gradual do triênio posterior; e da crise de saúde, que tem impactos na economia, com uma incerteza bastante alta,[4] tudo isso num período muito curto, de apenas sete anos, levou (está levando) o país para uma situação econômica muito delicada.


[1] US$ (PPP), preços constantes.

[2] 2007 = US$ 13,4 mil; 2008 = US$ 13,9 mil; 2009 = US$ 13,8 mil.

[3] Década de 1980.

[4] Incerteza mais alta do que a maior parte dos países do mundo, segundo o artigo “Incerteza subiu no mundo todo, mas a que enfrentamos no Brasil é a maior” da Ana Carolina Gouveia (Blog do IBRE, 20/05/20).

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para saber mais sobre as informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.