Queda do PIB no segundo trimestre de 2020 é maior do que a perda acumulada da recessão 2014-16

O PIB brasileiro recuou 8,7% no 2º trimestre deste ano, em comparação ao 1º. Além da expressiva queda, que foi disseminada em diversos componentes do PIB, pela primeira vez entramos em recessão sem termos recuperado o que foi perdido na recessão anterior.

Economics
31/08/2020
Juliana Trece
Claudio Considera
Elisa Andrade

A economia brasileira foi atingida pela pandemia de Covid-19 no início do ano e, os resultados até o 2º trimestre mostram um forte recuo do PIB a níveis recordes. De acordo com o Monitor do PIB-FGV, o PIB brasileiro recuou 8,7% no 2º trimestre deste ano, em comparação ao 1º. Além da expressiva queda, que foi disseminada em diversos componentes do PIB, pela primeira vez entramos em recessão sem termos recuperado o que foi perdido na recessão anterior.

O maior nível de atividade já atingido pela economia brasileira foi no 1º trimestre de 2014 e, desde a entrada em recessão no 2º trimestre daquele ano, datada pelo CODACE,[1] não conseguimos retornar aquele patamar de atividade, conforme apresentado no Gráfico 1.

Apesar de termos vivenciado um período de expansão de três anos, entre o 1º trimestre de 2017 e o 4º trimestre de 2019, o ritmo de retomada foi tão lento que não foi capaz de recuperar a perda de 8,1% que ocorreu entre o 2º trimestre de 2014 e o 4º trimestre de 2016. Segundo dados do Monitor do PIB-FGV, no último período expansivo a economia cresceu apenas 4,9%, restando ainda crescer mais 3,8% para retornar ao patamar que detinha no 1º trimestre de 2014, conforme apontado no Gráfico 2.

Com a chegada da pandemia de Covid-19 no país, a situação da economia brasileira ficou ainda mais delicada a partir do início deste ano. No atual ciclo econômico que se iniciou no 1º trimestre de 2020, de acordo com o CODACE, a economia apresentou recuo de 11,0%, de acordo com o Monitor do PIB-FGV. Em apenas dois trimestres a economia retraiu mais que em qualquer período recessivo anterior no país, datado pelo CODACE desde 1980. Na verdade, somente o recuo do PIB no 2º trimestre deste ano (-8,7%) já superou a perda acumulada em todas as recessões. E o mês de abril, sozinho, foi responsável por uma queda[2] da mesma magnitude dos onze trimestres da recessão de 2014-2016 (-8,1%), conforme apontado no Gráfico 3. Com este resultado, o nível do PIB no 2º trimestre deste ano ficou ainda mais distante do que o pico observado no 1º trimestre de 2014. Atualmente o PIB está 14,2% abaixo do que detinha no início de 2014. Para retornar ao nível do 1º trimestre de 2014, ainda falta crescer 16,6%.

Para o segundo semestre do ano, espera-se uma recuperação. Porém, como a queda foi muito forte no primeiro semestre, em especial no segundo trimestre, no ano, o PIB deve recuar 5,5%, segundo a mediana das expectativas de mercado do boletim Focus.

 


[1] Comitê de Datação de Ciclos Econômicos da FGV.

[2] Taxa em relação ao mês imediatamente anterior.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).