O mérito de uma Terceira Via

Para ocupar esse espaço de centro e ser competitivo, porém, esse terceiro competidor precisará ser mais do que “nem um nem outro”.

Economics
05/07/2021
Armando Castelar Pinheiro

Esforço dos dois candidatos líderes nas pesquisas em promover polarização, buscando ampliar rejeição um do outro, abrirá importante espaço para candidato(a) de centro – terceira via – pois forçará Lula e Bolsonaro a manter suas posições nos extremos do espectro político.

A pesquisa do Instituto Ipec divulgada semana passada reforçou a previsão de um cenário de forte polarização entre o ex-presidente Lula e o atual presidente nas eleições presidenciais de 2022. Lula aparece à frente, com 49% das intenções de voto, mais que o dobro dos 23% de Jair Bolsonaro. Se considerarmos apenas os votos “válidos”, descontando bancos e nulos (10%) e indecisos (3%), teríamos uma vitória do ex-presidente já no primeiro turno da eleição.

Tenho argumentado que esses resultados refletem o quadro eleitoral de hoje, o qual provavelmente não se manterá o mesmo até daqui a 16 meses, quando as eleições ocorrerão. Duas variáveis com razoável influência sobre as intenções de voto tendem a mudar esse quadro.

Primeiro, a pandemia deve estar controlada no início do próximo ano, deixando de ocupar as principais manchetes dos jornais. Até o último fim de semana, o Brasil tinha vacinado 33,5% de sua população com a primeira dose e 12,0% com duas doses. Nas quatro semanas anteriores, foram 30 milhões de doses aplicadas, mais de um milhão por dia, em média.  Mantido esse ritmo, teremos toda a população adulta vacinada ainda em 2021.

Segundo, a retomada da economia vai avançar. Em 2021 esta dependeu de altos preços de commodities e uma taxa de câmbio que dá competitividade à indústria. O controle da pandemia vai mudar esse quadro, estimulando o setor de serviços, com a demanda alavancada por as famílias terem acumulado, de um lado, uma poupança elevada e, de outro, uma grande demanda reprimida por serviços, como turismo e outras atividades intensivas em trabalho. Isso vai alavancar o emprego e a renda, para o que também contribuirá a queda da inflação, reforçando a recuperação da economia. Até por isso, considero pessimista a previsão mediana dos analistas de mercado, para quem o PIB, depois de crescer 5,1% este ano, deve aumentar “apenas” 2,1% em 2022.

Isso não vai impedir, claro, que Lula e Bolsonaro insistam na polarização entre ambos e façam uma campanha que, se acredita, será baseada em ampliar a rejeição que o eleitorado tem pelo outro. A propaganda contra Lula com certeza lembrará dos escândalos do Mensalão e do Petrolão. Aquela contra Bolsonaro baterá na triste e ainda fresca memória das, provavelmente, mais de 600 mil mortes que o Brasil terá sofrido devido à COVID.

O esforço dos dois candidatos líderes nas pesquisas em promover a polarização, buscando ampliar a rejeição um do outro, vai abrir um importante espaço para um(a) candidato(a) de centro, uma terceira via, pois forçará Lula e Bolsonaro a manterem suas posições nos extremos do espectro político. Para ocupar esse espaço de centro e ser competitivo, porém, esse terceiro competidor precisará ser mais do que “nem um nem outro”.

Para isso deve contribuir tirarmos a pandemia e a atual recessão do centro da pauta eleitoral. Isso abrirá espaço para uma candidatura menos focada na propaganda negativa e mais em olhar para a frente, em propor soluções para nossos tantos desafios. Como, por exemplo, o que fazer para acelerar o crescimento de nosso PIB per capita, que deve fechar este ano 4,5% menor do que dez anos atrás. E para reverter o aumento da pobreza e da desigualdade gerado por essa década perdida, em um quadro fiscal complicado e com o avanço no uso de novas tecnologias ameaçando o emprego daqueles com baixo nível educacional.

A pesquisa do Ipec não revela quem seria esse candidato. Nela, Ciro Gomes aparece com 7% das intenções de voto, João Dória com 5% e Luiz Mandetta com 3%. Obviamente, daqui até outubro de 2022 eles podem ampliar esses números, assim como podem surgir novos candidatos.

Me parece fundamental que algo assim aconteça, de forma a estimular um debate eleitoral em cima de propostas, em vez de focado na polarização e em ver quem é mais rejeitado. Isso não apenas porque de outra forma se roubará do país a oportunidade de discutir respostas para seus problemas, que não são poucos e nem vão desaparecer sozinhos. Também importante é o risco de que uma eleição muito polarizada e construída em cima da raiva gere um clima que depois impeça quem for eleito de governar adequadamente. É dizer, de a eleição não colocar um fim à disputa, especialmente se o resultado for apertado, como bem exemplifica o caso da recente eleição no Peru.

Ainda que possa não parecer à primeira vista, o surgimento de um candidato de centro competitivo vai ser bom para todo mundo.


Este artigo foi publicado originalmente pelo Correio Braziliense em 30/06/2021.

Para mais análises sobre economia e políticas públicas no Brasil e no mundo, acesse o Blog do IBRE

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).