Reduzir a insegurança é importante para atrair investimentos

Investidores não gostam de incertezas e o Brasil nesse momento é um poço de incertezas. Somos um dos países com maior insegurança jurídica do mundo, assim como o segundo com legislação corporativa e tributária mais complexa.

Administration
02/09/2021
William Eid Junior

A fala de Jeromy Powell no encontro de Jackson Hole nos últimos dias trouxe boas notícias para os mercados do mundo e, em particular para o Brasil. O Quantitative Easing nos EUA vai continuar, com um tapering suave. Foi uma fala mais dovish do que era esperado.

Tradução: o presidente do banco central americano disse que vai continuar comprando ativos, mesmo que com uma velocidade menor. Essas compras começaram no início da pandemia Covid 19 e esperava-se uma redução maior no seu ritmo, coisa que aparentemente não vai acontecer. Isso significa a manutenção de alta liquidez nos mercados globais e, portanto, maior possibilidade de vinda de recursos externos como investimento para o Brasil. Mas, e sempre temos um mas, depois de atingir USD 75 bilhões em 2019 e cair para USD 44 bilhões em 2020, agora temos no primeiro semestre USD 25.7 bilhões, com uma previsão de fecharmos o ano em USD 60 bilhões. A queda em 2020 era esperada, o mundo parou, assim como o Brasil, que apresentou queda no PIB próxima de 5%.

O mundo vem se recuperando e os mecanismos que mantêm a liquidez global continuam mantidos, seja nos EUA, seja na Europa. A pergunta que fica é: por que não voltamos ao patamar anterior à crise? E a resposta é simples: investidores não gostam de incertezas e o Brasil nesse momento é um poço de incertezas. Nunca fomos um paraíso das certezas. Somos um dos países com maior insegurança jurídica do mundo, assim como o segundo com legislação corporativa e tributária mais complexa. Agora temos mais alguns complicadores nesse cenário. O primeiro é a crise fiscal, que já vem de 2015.

Lá o nosso déficit nominal atingiu 9.6% do PIB e de lá para cá não conseguimos reduzi-lo muito, mantendo um patamar em torno dos 8%. A título de comparação antes de 2015 o déficit girava em torno dos 4%. Como solucionar esse problema? Sinalizando claramente que estamos no caminho de reformas estruturais que coloquem o país nos trilhos, gastando menos do que arrecada. Recentemente tivemos algum alento com o início da reforma da previdência e também a trabalhista, mas isso foi interrompido e os sinais não são claros.

Ao mesmo tempo, temos uma crise política. Podemos elencar diversas causas, como a inabilidade do presidente, a qualidade do congresso ou muitas outras. Mas a verdade é que voltarmos a falar em golpe de estado nos equipara a repúblicas de bananas de meados do século passado. Os nossos dirigentes deveriam pensar mais no bem da nação e reduzir o tom de suas falas. Isso por si já reduziria o risco político. Claro, temos uma eleição em 2022 que acirra os ânimos, então vai ser difícil termos uma redução desse risco.

Será difícil retomarmos o nível de investimentos diretos do exterior anterior à pandemia seja em 2021 e também em 2022. Pena, pois o Brasil andará na contramão do mundo, que provavelmente vai entrar na estrada do crescimento.

Podemos olhar para o investimento em portfólio, em particular para o investimento em ações via B3. Há a expectativa de aumento dos investimentos com base no preço dos ativos brasileiros. Estão muito baratos seja pela desvalorização do real, seja porque a nossa bolsa não acompanhou as principais bolsas do mundo na sua recuperação. Porém há entraves, além dos riscos que também afetam os investimentos diretos citados acima. A proposta da tributação de dividendos da reforma tributária é uma delas, mas também no exterior o medo de uma retração causada pela variante delta assusta e pode deixar o investidor estrangeiro mais arredio.

De toda forma, reduzir os riscos fiscal e político seria uma medida de muita ajuda na atração de recursos do exterior, tão necessários ao nosso crescimento.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information from your device and your browsing and uses technologies such as cookies to store it and enable features, including: improve the technical functioning of the pages, measure the website's audience and offer relevant products and services through personalized ads. For more information about this Portal, access our Cookie Notice and our Privacy Notice.