O tamanho da desaceleração global

Discurso da inflação transitória, que cairia sozinha, caiu por terra, e, com alta de juros e problemas na China, agora há pessimismo global. FMI projeta que, no 4º tri de 2022, PIB mundial esteja só 2,5% acima do fim de 2021.

Economics
27/06/2022
Armando Castelar Pinheiro

Certa vez li em um artigo que os economistas, para serem respeitados por seus pares, precisam ser pessimistas. O autor do comentário é um economista otimista, que por algum tempo fez sucesso contrariando as previsões de que a alta na inflação derrubaria as bolsas. No final não deu certo, como mostram as últimas semanas de quedas sucessivas nos índices S&P 500, Nasdaq e Dow Jones. Este último, por sinal, já teve oito semanas consecutivas de resultados negativos, a maior sequência em quase um século!

O pessimismo segue dominante na profissão. Há, porém, uma mudança nos problemas que mais preocupam os economistas.

Até recentemente, a novidade era a inflação alta, sempre surpreendendo para cima. A guerra na Ucrânia, claro, ajudou, pressionando os preços das commodities, já em alta com a retomada pós-pandemia. Com isso caiu por terra o discurso da inflação transitória, que cairia sozinha, que muitos bancos centrais (BCs) vinham adotando.

A preocupação com a inflação não desapareceu, mas deixou de ser polêmica, virou consenso, com os BCs agora subindo os juros e prometendo mais aperto, e por mais tempo, até trazer a inflação para a meta. A nova área de pessimismo agora diz respeito ao ritmo de crescimento econômico.

Que a economia vai desacelerar é consenso. No seu Panorama Econômico Global, do mês passado, o FMI cortou a projeção de crescimento mundial em 2022 e 2023 para 3,6%, respectivamente 0,8 e 0,2 ponto percentual a menos do que previa antes. Essa taxa compara com alta 6,1% em 2021 e uma média de 3,7% ao ano em 2010-19.

Mais preocupante, porém, é que boa parte da expansão este ano vem do bom desempenho na segunda metade de 2021, o chamado carregamento estatístico, e não da expansão da atividade este ano. Assim, o Fundo projeta que no último trimestre deste ano o PIB mundial esteja apenas 2,5% acima do observado ao final de 2021.

Provavelmente, porém, mesmo essa taxa mais baixa ainda superestima o crescimento mundial este ano, em que pese todo o ganho decorrente da normalização econômica, com o (quase) fim da pandemia na maioria dos países. Isso por vários fatores que vêm impactando as principais economias do mundo.

A Europa sofre com a forte escalada dos preços de energia, não só o petróleo, mas também o gás natural, insumo essencial para a geração elétrica e boa parte da indústria. Para as famílias, essa alta de preços reduz a renda disponível para o consumo de outros bens e serviços. Para as empresas, compromete sua competitividade. Soma-se a isso a gradual retirada de estímulos monetários, com os juros voltando ao terreno positivo até o final do ano, e fiscais, com os governos preocupados com todo aumento do endividamento público durante a pandemia. A própria guerra na Ucrânia, que não deve acabar tão cedo, prejudica o crescimento, ao reduzir a confiança de empresas e consumidores.

Nos EUA, o Fed, o BC americano, já sinalizou que subirá bastante os juros neste ano e no próximo. Isso já impactou as taxas de mercado – o retorno dos títulos públicos de dois anos saltou de 0,2% para 2,6% a. a. nos últimos nove meses – elevando o custo de capital das empresas. As taxas de juros em hipotecas também subiram bastante, com impactos negativos no mercado imobiliário, que vinha tendo ótimo desempenho. Além disso, a alta dos combustíveis reduz a renda disponível, enquanto a queda das bolsas diminui a riqueza, nos dois casos prejudicando o consumo de bens e serviços. Muitos analistas preveem que a economia americana entre em recessão na segunda metade de 2023.

A China, que já responde por quase um quinto do PIB mundial, está às voltas com a pandemia. A reação do governo chinês ao surgimento de novos casos é trancar as pessoas em casa, o que significa interromper a produção, o consumo etc. Isso tem, claro, pesado negativamente sobre a atividade econômica. Não há sinais de que tão cedo se verá uma solução para esse problema: agora que as coisas melhoram em Xangai, estão piorando em Pequim.

Muitos emergentes, em especial os que não produzem commodities, estão sofrendo com a piora do ambiente externo. Pesam aqui a alta do preço do petróleo e dos alimentos, o fortalecimento do dólar, o crescimento mais lento da China e a perspectiva de juros mais altos nos EUA e na Europa. Não se pode descartar que alguns países com maior endividamento externo enfrentem crises no próximo ano e meio.

Muito pessimismo? É possível. Mas que a situação está ficando mais complicada, está.

Este artigo foi publicado originalmente pelo Correio Braziliense em 25/5/2022 e posteriormente no Blog do IBRE em 01/06/2022.

 

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Our website collects information from your device and your browsing and uses technologies such as cookies to store it and enable features, including: improve the technical functioning of the pages, measure the website's audience and offer relevant products and services through personalized ads. For more information about this Portal, access our Cookie Notice and our Privacy Notice.