Professor da EBAPE apresenta trabalho sobre tábua de vida em seminário em Brasília

Kaizô apresentou, na Conferência de Abertura, a pesquisa ?Mortalidade dos Servidores Públicos Federais ? Construção da Tábua Específica Adequadas aos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS) ? Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) em Cooperação com o Ministério da Previdência Social (MPS) ?. 
Institutional
26 November 2015

O professor da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (FGV/EBAPE) Kaizô Beltrão participou do Seminário de Estudos Previdência Social e Equilíbrio Financeiro Atuarial. O evento, realizado no dia 18 de novembro, na sede do Ministério do Trabalho e Previdência Social, em Brasília, teve como objetivo apresentar trabalhos de conclusão do Curso de Especialização em Ciências Atuariais e Demografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em parceria com o Ministério da Previdência Social (MPS).Kaizô apresentou, na Conferência de Abertura, a pesquisa ?Mortalidade dos Servidores Públicos Federais ? Construção da Tábua Específica Adequadas aos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS) ? Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) em Cooperação com o Ministério da Previdência Social (MPS) ?. O trabalho fornece informações relevantes para o equilíbrio das contas governamentais.O estudo constrói, a partir de dados do Sistema Integrado de Administração de Pessoal (SIAPE), tábuas de vida para os funcionários públicos civis federais do executivo, no período de 1993 a 2014, desagregando por sexo, idade e escolaridade (nível médio e superior). Segundo a pesquisa do professor Kaizô, há uma grande diferença entre a expectativa de vida de servidores públicos de nível médio e superior.?O Brasil carece de tábuas específicas adequadas para o mercado de previdência e tem utilizado tábuas importadas que se referem a outros países, com outras culturas e outras experiências de mortalidade?, explicou o professor.O evento abriu espaço também para o debate sobre os riscos associados ao aumento da longevidade e os desafios para a sustentabilidade atuarial RPPS. O seminário contou ainda com a apresentação de 10 trabalhos de conclusão de curso da UFRN sobre o tema.