Assimetria do preço de combustíveis é tema de Seminário do IBRE

Institutional
25 August 2011

É evidente, inclusive no âmbito internacional, a assimetria na transmissão do preço do óleo diesel no atacado (refinarias e distribuidores) para os consumidores finais, bem como dos outros combustíveis de maneira geral. O panorama é o seguinte: enquanto os aumentos nos preços no atacado são repassados quase que totalmente no mesmo mês do choque, as reduções são repassadas de modo bem mais lento e gradual. Em outras palavras: quando o preço do produtor sobe, ?sobe pelo elevador?, rapidamente, nas bombas de gasolina dos postos; quando desce, ?desce de escada?, lentamente. Foi este o tema abordado pelo economista Maurício Canêdo no seminário da última quarta-feira, dia 17 de agosto: ?Assimetria na transmissão dos preços dos combustíveis?, apresentado no auditório do prédio sede da FGV, na Praia de Botafogo. No exterior, são inúmeros os estudos a respeito do assunto ? muitos dos quais abordam a questão pelo viés da política pública. No caso específico do Brasil, o entendimento do mecanismo de transmissão dos preços dos combustíveis (possivelmente assimétrico) pode ajudar na calibragem da política de tributação destes produtos, que estão sujeitos à incidência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE). Como é usual que o governo ajuste o valor da CIDE para suavizar variações nos preços no atacado, é importante, portanto, entender se existe assimetria com relação a aumentos e reduções destes preços. E, justamente no Brasil, a literatura é escassa. Estudioso do assunto, Canêdo busca entendê-lo de acordo com o histórico apresentado nacionalmente. O economista sabe que, para além da assimetria, que acontece de fato, há os motivos ainda obscuros, que devem ser descobertos: ?Aparentemente existe assimetria no repasse. O próximo passo é identificar suas causas. Uma das possibilidades está associada à falta de competição no mercado varejista, explicação que ganha apelo dados os diversos episódios de cartéis identificados e punidos pelas autoridades brasileiras de defesa da concorrência nos últimos anos?.

Our website collects information about your device and browsing activity through the use of cookies seeking to allow features such as: improving the technical functioning of web pages, measuring the diffusion of the website and offering relevant products and services through personal advertisement. To find out more about the information and cookies we collect, visit our Cookie Policy and our Privacy Policy (available soon in English).