Centro de Estudos em Ética, Transparência, Integridade e Compliance é lançado em São Paulo
Administração
18 Fevereiro 2019

Centro de Estudos em Ética, Transparência, Integridade e Compliance é lançado em São Paulo

O lançamento foi marcado por uma importante exposição de Pedro Ruske Freitas, diretor de Promoção da Integridade da Secretaria de Transparência e Prevenção à Corrupção do Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União, sobre a implementação do plano de Programas de Integridade, com mediação do professor Mario Aquino, da FGV EAESP.

À medida em que os grandes escândalos corporativos vieram à tona, a sociedade brasileira passou a exigir medidas mais rigorosas de combate à corrupção e maior controle das relações entre empresas e setor público, acompanhando tendências internacionais e uma extensa e complexa regulamentação.

A ascensão do compliance dentro das companhias está relacionada em forte medida a esse movimento. Para aprimorar a reflexão e os conceitos sobre esse movimento, a EAESP criou o Centro de Estudos em Ética, Transparência, Integridade e Compliance (FGVEthics), em cerimônia ocorrida no dia 13 de fevereiro.

Segundo Lígia Maura Costa, coordenadora do FGVEthics, haverá um esforço multidisciplinar para estudar, refletir, inovar e disseminar conhecimento aplicado sobre temas relacionados a transparência, diversidade, sustentabilidade e proteção ao meio ambiente do trabalho, assuntos que estão na ordem do dia de empresas e da sociedade.

O lançamento foi marcado por uma importante exposição de Pedro Ruske Freitas, diretor de Promoção da Integridade da Secretaria de Transparência e Prevenção à Corrupção do Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União, sobre a implementação do plano de Programas de Integridade, com mediação do professor Mario Aquino, da FGV EAESP.

Para Freitas, o crescimento da importância do compliance veio acompanhado da necessidade de se investir em integridade nos processos. O secretário pontuou que a Controladoria Geral da União vem trabalhando para aumentar a implementação, por meio de diversas medidas. Uma delas é a constituição de uma diretoria focada na promoção da integridade.

Freitas explicou que os acordos de integridade irão investigar as causas que levaram a episódios de corrupção e também deverão contribuir para que eles não voltem a ocorrer. “O importante desse movimento é induzir uma mudança cultural no que move as relações entre iniciativa privada e iniciativa pública”, explicou.

O seminário também se dedicou a debater novos instrumentos para aumento da ética e compliance na cadeia de valor de saúde, com participação de especialistas da Grant Thorton, KPMG, Deloitte, PwC e Ernst e Young.

O FGVEthics tem como parceiro inicial o Instituto Ética Saúde, representado pelo presidente do Conselho de Administração do Instituto Ética Saúde, Glaucio Pegurin Liborio.