EAESP, EBAPE e FGV in company realizam fórum internacional sobre competitividade brasileira e políticas públicas

Institucional
19 Maio 2011

A EAESP, EBAPE e o FGV in company realizaram nesta semana, dia 16 de maio, em São Paulo, o ?Fórum Internacional - Competitividade Brasileira e Políticas Públicas - visão geral e perspectivas para os setores de açúcar/álcool e petróleo/gás?. O evento foi organizado pelo GVcelog ? Centro de Excelência em Logística e Supply Chain da EAESP e teve como principal convidado o coordenador das pesquisas de Michael Porter e professor do Instituto de Estratégia e Competitividade da Harvard Business School, Christian Ketels. O fórum foi aberto pela diretora da EAESP, Professora Maria Tereza Fleury, e contou com palestras do chefe de gabinete da Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano do Estado de São Paulo, Marcos Camargo Campagnone; do coordenador do PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo), Guilber  Dumas de Souza; do Diretor de Novos negócios da Raízen (joint venture Cosan-Shell), Mark Lyra; e da diretora adjunta e coordenadora do Núcleo de Energia do FGV in company, Goret Pereira Paulo. Os debates, moderados pelos professores da EAESP Manoel Reis e Luiz Carlos Di Serio, tiveram como objetivo analisar fatores que afetam a competitividade de países e das empresas.  Em sua apresentação, Ketels ressaltou os avanços do Brasil sob o ponto de vista macroeconômico, a importância da evolução das instituições e regulamentações e os fatores que impactam positiva e negativamente a competitividade do país. Para o especialista, o desafio é achar um caminho que resulte em consenso, instituições estruturadas, liderança e boa relação externa.  O representante do governo do estado de São Paulo enfatizou uma série de ações que estão sendo implantadas para diminuição do custo logístico na região, assim como a importância do apoio e coordenação destas iniciativas com o Governo Federal, uma vez que alguns modais, como o de infraestrutura aeroportuária, por exemplo, são de responsabilidade daquela esfera de governo. Durante o fórum, Lyra destacou a tradição do mercado de etanol no Brasil, que desde os anos 30 já era misturado na gasolina e apresentou a joint venture formada entre a Shell e a Cosan que resultou na Raizen. O coordenador do PROMIMP complementou a discussão falando sobre as características do programa do Ministério das Minas e Energia e do Plano Nacional de Qualificação Profissional (PNQP) e a necessidade de qualificação de profissionais para atender a futuras demandas do setor. Já Goret fez comentários sobre os temas abordados pelos demais palestrantes, enfatizando a importância de o Brasil avançar no debate sobre o papel das instituições e da estabilidade de regras como forma de aumentar a participação dos investimentos privados na expansão da infraestrutura.