Editora FGV lança coleção ‘Gudin-Mario-Bulhões Pedreira: Cem Anos de Modernização do Estado Brasileiro’
Institucional
22 Novembro 2017

Editora FGV lança coleção ‘Gudin-Mario-Bulhões Pedreira: Cem Anos de Modernização do Estado Brasileiro’

Os três foram grandes mestres e, no caso de Gudin e de Simonsen, ativos participantes do debate nacional por meio de conferências, artigos e colunas na imprensa. Bulhões Pedreira modernizou a vida pública e simplificou a rotina das empresas, interagindo desde a feitura de sofisticadas legislações, tais como a do setor elétrico brasileiro, até contribuição para o vitorioso combate à inflação.

A obra “Gudin-Mario-Bulhões Pedreira – Cem Anos de Modernização do Estado Brasileiro” forma uma tríade que teve grande importância na construção do pensamento econômico brasileiro e na criação de grandes instituições públicas. Coube aos três personagens fazerem a integração da economia, trazendo a racionalidade à construção do Estado e o desenvolvimento de um arcabouço institucional que possibilitou a modernização do Brasil. Com apresentação de Carlos Ivan Simonsen Leal, presidente da Fundação Getulio Vargas, o estojo contendo os três livros foi editado pela Insight Comunicação, e a edição digital pode ser adquirida gratuitamente pela Editora FGV. O lançamento das obras será realizado nesta quarta, 22 de novembro, às 19h, no auditório da sede da FGV, Rio de Janeiro (Praia de Botafogo, 190. Botafogo – 12º andar).

“Os três personagens nos remontam à constatação de que o crescimento do Brasil como potência passa pelo desenvolvimento econômico e social e que, para formular e implementar estratégias, é necessário ter instrumentos, isto é, instituições e regras que orientem e alavanquem o esforço nacional”, afirma o presidente da FGV, na apresentação da trilogia.

A primeira biografia é de Eugênio Gudin, fundador do curso de Ciências Econômicas no país. Há uma extensa lista de publicações dedicadas ao pensamento dele e ao seu legado no terreno das teorias econômicas aplicadas no Brasil e no mundo. Ele é o criador do Instituto Brasileira de Economia da FGV (IBRE), que produziu as primeiras estatísticas das contas nacionais.

Durante toda a sua vida e até hoje, passados mais de 30 anos de sua morte, jamais houve meio-termo quando se tratava de Gudin – seja dos amigos, discípulos ou admiradores que sempre lhe dedicaram hipérboles elogiosas, seja dos inimigos públicos, desafetos ou simplesmente ácidos críticos de seu pensamento. Encontrar os matizes de um personagem dotado de extremos ajuda a iluminar melhor a notável vida deste homem nascido ainda no Império e que esteve por mais de 60 anos na ribalta do debate público institucional do Brasil. A biografia é assinada pelo historiador Márcio Scalercio e pelo cientista político Rodrigo de Almeida, com apresentação do economista Luiz Roberto Cunha.

Já o ex-ministro da Fazenda Mario Henrique Simonsen aprimora o ensino de Economia, ao criar, nos anos de 1960, a primeira escola de pós-graduação em Economia. No governo Geisel (1974-1979), inova na gestão pública ao adotar procedimentos de controle dos gastos públicos, e moderniza o mercado de capitais ao criar a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e legislações que aprimoraram os agentes econômicos. O livro “Mario” é uma coletânea de depoimentos de personalidades e amigos que conviveram com o ex-ministro em diferentes etapas de sua vida. Como Simonsen era uma unanimidade, ainda que suspeitamente reverenciada, o Mario são controvérsias, dúvidas, fragilidades e originalíssimas manifestações de um ser humano além das tipificações. O livro é dos jornalistas Luiz Cesar Faro e Coriolano Gatto, com a colaboração de Sonia Joia.

Por fim, José Luiz Bulhões Pedreira foi um dos mais importantes juristas do país, tendo participado decisivamente na elaboração de leis que alcançaram variados segmentos da atividade econômica, tais como mercado de capitais, sistema financeiro, sociedades anônimas, Sistema Financeiro da Habitação, setor elétrico, setor ferroviário, Imposto de Renda e reforma monetária – legislações de 1964 a 1994 (Plano Real). Com ativa participação tanto na vida pública, mesmo sem ocupar um cargo, quanto na iniciativa privada, Bulhões Pedreira foi um dos arquitetos da institucionalização brasileira no século passado, colaborando como poucos na montagem do arcabouço legal do Estado. Precisão e inventiva são o seu binômio característico. Econômico na exposição, rigoroso na fundamentação e reformista na essência, o jurista fez da combinação desses atributos uma rara e notável assemblage. Os autores do livro são Coriolano Gatto, Luiz Cesar Faro e Rodrigo de Almeida.

Os três foram grandes mestres e, no caso de Gudin e de Simonsen, ativos participantes do debate nacional por meio de conferências, artigos e colunas na imprensa. Conhecimento multifacetado, Simonsen foi colunista, por dez anos, de música clássica na revista Veja, além de colunista da revista Exame. Bulhões Pedreira modernizou a vida pública e simplificou a rotina das empresas, interagindo desde a feitura de sofisticadas legislações, tais como a do setor elétrico brasileiro, até contribuição para o vitorioso combate à inflação. Gudin foi um polemista inveterado até poucos meses antes da sua morte, aos 100 anos.

A reedição dos livros, acondicionados em um estojo, tem a missão de reorganizar a valiosa contribuição dos três grandes brasileiros para a racionalidade do pensamento econômico, perpassando suas ideias e a história de vida, a partir de um conjunto de depoimentos de amigos e profissionais ilustres que conviveram com eles ou os conheceram em diferentes momentos da sua trajetória de vida. Gudin, Mario e Bulhões Pedreira conseguiram o que parecia ser improvável: a integração da economia brasileira dentro de um ordenamento jurídico capaz de dar lógica ao funcionamento do país, criando uma das maiores sociedades de consumo do mundo.

Para mais informações sobre os livros, acesse o site.