EESP aponta pessimismo no Brasil e menor crescimento da economia

O otimismo dos empresários brasileiros atingiu o menor nível dos últimos quatro trimestres. É o que revela a pesquisa trimestral Panorama Global dos Negócios, conduzida pela Escola de Economia de São Paulo (FGV/EESP), pela Duke Universit e CFO Magazine, com apoio da BMFBovespa e do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF).
Institucional
11 Dezembro 2013

O otimismo dos empresários brasileiros atingiu o menor nível dos últimos quatro trimestres. É o que revela a pesquisa trimestral Panorama Global dos Negócios (CFO Survey - Global Business Outlook) conduzida pela Escola de Economia de São Paulo (FGV/EESP), pela Duke Universit e CFO Magazine, com apoio da BMFBovespa e do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF).De acordo com o estudo, os responsáveis pelas decisões financeiras das empresas brasileiras são os menos otimistas do mundo com relação à economia de seu país. A tendência é contrária à encontrada nas demais regiões sondadas pelo levantamento, como Estados Unidos, Europa, Ásia e o restante da América Latina ? com exceção da Argentina e Venezuela. ?Esta queda consistente do otimismo é um péssimo sinal para a economia brasileira. O caráter prospectivo do nosso índice oferece uma antecipação do desempenho econômico no trimestre posterior. Assim, essa nova queda pode estar antecipando outro trimestre de desempenho econômico insatisfatório?, alerta o professor da EESP e co-diretor da pesquisa Global Business Outlook, Gledson de Carvalho.Os resultados apontam ainda queda na expectativa de crescimento para o emprego, no crescimento dos investimentos e preocupação interna das empresas brasileiras com a manutenção das margens de lucro. Tal preocupação é consistente com uma expectativa de baixo crescimento dos preços dos seus próprios produtos e um crescimento bem superior dos salários.A pesquisa foi concluída no dia 5 de dezembro e contou com a participação de 1.016 executivos, incluindo 400 dos Estados Unidos, 245 da Ásia, 141 da Europa, 191 da América Latina (51 brasileiros) e 39 da África.