Encontro discute padrões, definições, arquitetura e quadro regulatório das DLTs

DLT pode ser entendida como um “livro de registros”, distribuído e seguro, apto a registrar transações ou atividades online entre as entidades relevantes de forma eficiente e verificável. Atualmente a DLT mais conhecida é a Blockchain usada para operar a moeda virtual Bitcoin
Políticas Públicas
13 Setembro 2019
Encontro discute padrões, definições, arquitetura e quadro regulatório das DLTs

O Núcleo de Prospecção e Inteligência Internacional (FGV NPII) participou do International Telecommunication Union (ITU) Focus Group on Applications of Distributed Technology. Realizado em Genebra (Suíça), o encontro teve o objetivo de discutir questões relacionadas a Distributed Ledger Technologies (DLT), como padrões, definições, arquitetura técnica e quadro regulatório. DLT pode ser entendida como um “livro de registros”, distribuído e seguro, apto a registrar transações ou atividades online entre as entidades relevantes de forma eficiente e verificável. Atualmente a DLT mais conhecida é a Blockchain usada para operar a moeda virtual Bitcoin.

Essa é a sétima e última reunião de uma série que culminou com o lançamento de um grupo de relatórios do Focus Group. Os documentos reúnem as principais considerações sobre DLT advindas de especialistas de diversos países, representando universidades, governos, empresas, ONGs e Think Tanks.

O FGV NPII esteve representado pelo analista de inteligência internacional Leonardo Paz Neves, que fez parte desse grupo de trabalho e contribuiu para a produção de dois relatórios (DLT Use Cases e DLT Regulatory Framework). Ele também desenvolve, no FGV NPII, projetos pioneiros sobre aplicações de novas tecnologias digitais às finanças, comunicações e questões de segurança internacionais.

Os relatórios estão disponíveis para consulta no site