Estudo da DAPP compara estrutura de escolas de acordo com média no ENEM em Matemática

A pesquisa Universo Escolar mostrou que, entre as 1,5 mil escolas com desempenho baixo na prova, mais de 900 declaram não ter acesso à rede pública de esgoto e, destas, 57 declaram não ter sequer banheiro. Além disso, em 14 delas não haveria qualquer forma de acesso à água.
Institucional
18 Maio 2016

Um novo estudo da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (DAPP) lança luz sobre a situação da infraestrutura das escolas brasileiras e o desempenho dos alunos. Com base em dados do Censo Escolar e nas notas de matemática no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) de 2014, a pesquisa Universo Escolar mostrou que, entre as 1,5 mil escolas com desempenho baixo na prova, mais de 900 declaram não ter acesso à rede pública de esgoto e, destas, 57 declaram não ter sequer banheiro. Além disso, em 14 delas não haveria qualquer forma de acesso à água.O estudo da DAPP comparou a infraestrutura das escolas com as médias mais altas e baixas no ENEM. Enquanto 88% das melhores colocadas declaram dispor de biblioteca, o índice cai a 74% entre as de pior desempenho. Além disso, aparatos de lazer, como parque infantil, quadra de esportes e pátio escolar estão mais presentes nas escolas com melhores notas. Já a oferta de alimentação está presente em quase a totalidade das escolas com piores médias, enquanto apenas 195 das escolas com médias mais elevadas declaram contar com o serviço.O estudo, ainda em fase inicial, não pretende apontar e classificar o impacto dos recursos nas notas dos alunos que prestaram a prova do ENEM em 2014, mas evidenciar as diferenças de oportunidades provocadas pela disponibilidade e utilização de tais recursos.Distribuição geográficaO Universo Escolar revelou ainda que há uma concentração das escolas com médias mais elevadas entre municípios com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) alto e muito alto. Em contrapartida, as escolas com baixo desempenho têm uma distribuição mais uniforme dentre todos os IDHs.Já entre os estados, 65% das melhores escolas estão em São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, enquanto o Nordeste centraliza 54% dos estabelecimentos de ensino com baixo desempenho. O Amapá foi o único estado brasileiro que não contou com nenhuma representante na lista das maiores notas. Acesse o site da pesquisa