FGV e TJ-SP firmam parceria para programa de capacitação em gestão pública

Usando as metodologias de design thinking e hands on, a primeira versão do curso terá 48 horas-aula, durará até o início de dezembro e será oferecida para 40 servidores e juízes selecionados, em uma experiência piloto.
Administração
21 Setembro 2018
FGV e TJ-SP firmam parceria para programa de capacitação em gestão pública

A Fundação Getulio Vargas e o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), um dos maiores do mundo, com aproximadamente 42 mil servidores, firmaram em 19 de setembro parceria para oferecer um curso de gestão para funcionários públicos. O programa engloba disciplinas sobre nova gestão pública, tecnologia da informação e processos de trabalho e gestão de recursos humanos.

Usando as metodologias de design thinking e hands on, a primeira versão do curso terá 48 horas-aula, durará até o início de dezembro e será oferecida para 40 servidores e juízes selecionados, em uma experiência piloto.

“Nosso objetivo é estender o programa a todos a todos os servidores do TJ-SP, inclusive juízes e funcionários que atuam no interior, por meio de ensino a distância”, explica o desembargador Francisco Eduardo Loureiro, presidente da Escola Paulista de Magistratura.  Só na capital, o desembargador estima que há 3 mil servidores da área administrativa que devem passar por essa capacitação.

O presidente do TJ-SP, Manoel Pereira Calças, afirmou a necessidade de se investir na formação gerencial do funcionário público para promover melhoras na prestação do serviço à população. “Esse termo de cooperação é um passo fundamental para se avançar nessa busca constante pela excelência na gestão do tribunal. O nosso objetivo é replicar essa metodologia”, conclui.

Patricia Landi, secretária de gestão de pessoas, destaca que a formação do servidor é muito técnica e que falta essa experiência na gestão. “Temos uma força de trabalho com uma qualidade absurda para movimentar esta máquina, mas em compensação ela apresenta pouco alicerce e pouca experiência em gestão. A gente atrai um público considerável formado em direito e já na entrada das pessoas, percebe-se a dificuldade para direcioná-las para áreas mais operacionais”, explica.

Para Tales Andreassi, vice-diretor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (FGV EAESP), a experiência com o TJ-SP amplia a conexão da teoria da gestão e a prática. “Ter o tribunal próximo à Escola é importante para que se aumente o intercâmbio de experiências. Os professores também aprendem com essas experiências”.

Ligia Maura Costa, professora da FGV EAESP, destacou que ajudar o TJ a ter uma administração melhor faz parte da missão da FGV. “Ensinar por meio de problemas práticos, estimular que os próprios alunos apresentem soluções e desenvolver mecanismos de acompanhamento da eficiência dos processos é o nosso objetivo com o programa”.

Também participaram da cerimônia de assinatura do acordo os desembargadores Luis Francisco Aguilar Cortes e Moacir Andrade Peres; e as juízas Camila de Jesus Mello Gonçalves, Ana Rita de Figueiredo Nery e Maria Rita Rebello Pinho Dias.