FGV Projetos esclarece orçamento público em novo livro

?As pessoas vão para as ruas reclamar do mau funcionamento dos serviços públicos e não sabem que a má gestão pública está atrelada ao orçamento?, afirma Fernando Rezende.  De acordo com o professor, uma pesquisa de rua revelou que mesmo aqueles que sabem o que é ?orçamento? dizem não se interessar por ele. 
Institucional
16 Janeiro 2014

Qual o caminho do dinheiro do contribuinte até os cofres públicos, através da arrecadação de impostos? E como esses recursos se transformam em programas de governo ou projetos de lei? São essas perguntas que o livro: ?O Orçamento dos brasileiros: Por que ele não desperta maior interesse?? procura responder. De autoria dos pesquisadores Fernando Rezende e Armando Cunha, da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (FGV/EBAPE),? a publicação, realizada pela FGV Projetos, pretende esclarecer certos pontos que costumam ser obscuros e até mesmo enfadonhos para muitas pessoas.?As pessoas vão para as ruas reclamar do mau funcionamento dos serviços públicos e não sabem que a má gestão pública está atrelada ao orçamento?, afirma Fernando Rezende ao jornal Brasil Econômico.  De acordo com o professor, uma pesquisa de rua revelou que mesmo aqueles que sabem o que é ?orçamento? dizem não se interessar por ele; além disso, aqueles que demonstraram interesse pelos recursos públicos não sabem como eles funcionam. ?Num momento em que se fala de transparência fiscal e se publicam leis obrigando a divulgação de dados do orçamento não vemos uma preocupação em se desmitificar o dinheiro público e descolá-lo do jargão orçamentário. É esse o sentido do nosso esforço?, explica.Ainda segundo Fernando Rezende, o Orçamento do país precisa passar por uma reforma. A lei em vigência completa 50 anos em março e destina mais de 90% do dinheiro que chega aos cofres do governo federal para atender a compromissos assumidos ? inclusive os que são resultados de acordos firmados durante a elaboração da Constituição de 1988. ?O que deveria definir o comportamento do orçamento e das despesas são as necessidades específicas da sociedade naquele período, e não as regras estabelecidas em um texto constitucional?, defende.Fernando Rezende e Armando Cunha são também autores do livro ?A Reforma Esquecida: o orçamento, gestão pública e desenvolvimento?, lançado pela Editora FGV no ano passado.O livro ?O Orçamento dos brasileiros: Por que ele não desperta maior interesse??  está disponível de forma gratuita e online. A coordenação é do diretor da FGV Projetos, Cesar Cunha Campos. Clique aqui e acesse.