FGV reúne especialistas e lideranças em seminário sobre segurança energética no Brasil

Ontem, dia 2 de junho, o Instituto Brasileiro de Economia (FGV/IBRE),  a FGV Energia  e a revista Conjuntura Econômica promoveram o IV Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira ? um dos principais fóruns  para o debate e  divulgação sobre a questão energética no país na atualidade
Institucional
03 Junho 2014

Ontem, dia 2 de junho, o Instituto Brasileiro de Economia (FGV/IBRE),  a FGV Energia  e a revista Conjuntura Econômica promoveram o IV Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira ? um dos principais fóruns  para o debate e  divulgação sobre a questão energética no país na atualidade. Nesta edição, o objetivo foi  aprofundar as discussões sobre planejamento, segurança energética e as perspectivas para  área, e contou com a participação de especialistas, lideranças governamentais e empresariais do setor.Durante todo o dia, quatro painéis trataram do cenário político, das perspectivas e estratégias do mercado do setor elétrico, de petróleo e gás, e da segurança energética através do uso de térmicas e fontes alternativas. A abertura oficial do evento foi realizada pelo vice-presidente da FGV, Sergio Franklin Quintella, e a primeira apresentação  do seminário ficou por conta da presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster ? que defendeu  a política de conteúdo local para o setor de óleo e gás.A importância do pré-salDe acordo com Maria das Graças Foster, a política de conteúdo local não é obstáculo para a exploração do pré-sal. ?É um investimento para desenvolver a indústria de bens e serviços no Brasil e quem é do setor de petróleo sabe a vantagem que é ter a indústria naval e offshore brasileira se recuperando?, disse.  A presidente da Petrobras destacou, ainda, que a produção de petróleo no pré-sal respondeu por 22% do volume total extraído pela empresa no Brasil em maio, e que a estimativa  é de que  o país Brasil exporte 1,8 milhão de barris de petróleo por dia entre 2020 e 2030, graças à exploração da camada. ?Temos que atender às demandas. Existem outras fontes de suprimento, mas o petróleo ainda carregará o Brasil por muito tempo, e o mundo?, lembrou.Risco de déficit de energia diminuiO secretário-executivo de Minas e Energia, Márcio Zimmerman, afirmou no evento que o sistema está voltando à normalidade após um fraco regime de chuvas nos meses de janeiro e fevereiro ? o que diminui riscos de déficit de energia. ?Os patamares de vazões têm sido bem melhores daqueles que ocorreram em janeiro e fevereiro. Houve uma melhora desse quadro e o risco diminui, explicou.O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, concorda que o cenário está mais positivo, mas não descarta as térmicas no momento. O modelo indica que até podem ser desligadas algumas térmicas. Nós, por precaução, provavelmente, não vamos desligar. Mas é um sinal de que está melhorando, ressaltou.O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, também  demonstrou cautela. Maio e junho continuam com intensidade de chuva na região Sul e chuvas próximas à média na região Sudeste. Mas enquanto isso não se configurar, não estamos contando com isso para o cenário operativo, disse.***Durante o evento, representaram a FGV o presidente da instituição, Carlos Ivan Simonsen Leal, o vice-presidente Sergio Franklin Quintella, o vice-presidente Francisco Oswaldo Neves Dornelles, o conselheiro Lindolpho de Carvalho Dias, o diretor-executivo da FGV Energia, Carlos Otavio Quintella, o diretor do FGV/IBRE, Luiz Guilherme Schymura, o diretor internacional da FGV (FGV/DINT), Bianor Cavalcanti, o diretor de Planejamento Estratégico e Inovação (FGV/DPEI), João Paulo Villela, o diretor de Operações (FGV/DO), Mario Rocha Souza, o diretor do Instituto de Desenvolvimento Educacional (FGV/IDE), Rubens Mário Wachholz, o diretor de Análise de Políticas Públicas (FGV/DAPP), Marco Aurélio Ruediger, o vice-diretor de Análise de Políticas Públicas (FGV/DAPP), Rogério Sobreira, o pesquisador do IBRE Maurício Canêdo, e o superintendente de Comunicação e Divulgação do IBRE, Claudio Roberto Conceição.Além de Maria das Graças Foster, Márcio Zimmerman, Maurício Tolmasquim  e Hermes Chipp,  participaram dos debates o diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Helder Queiroz Pinto; o diretor superintendente da Votorantim Energia, Otávio Rezende; o presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis  (IBP) e do Comitê de Cooperação Empresarial da FGV, João Carlos de Luca; o presidente da Statoil Brazil, André Jacques de Paiva Leite; o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Rio de Janeiro, Júlio Bueno; o presidente do Conselho de Energia do Sistema Firjan, Armando Guedes Coelho; o presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva; o diretor de Etanol da Petrobras Biocombustível, Milas Evangelista de Sousa, entre outros.O  IV Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira teve patrocínio do Senai, da Statoil, da Chevron, Tractebel energia, Votorantim Energia e apoio institucional da Compactor.