Iniciativa proporciona imersão de alunos de Direito em startup de tecnologia jurídica

A imersão busca associar o potencial do modelo de negócio da Finch com provocações aos alunos para repensar o que significa a profissão jurídica no século XXI.
Direito
25 Setembro 2018
Iniciativa proporciona imersão de alunos de Direito em startup de tecnologia jurídica

O Centro de Ensino, Pesquisa e Inovação (CEPI) da Escola de Direito de São Paulo (FGV Direito SP) promove entre os dias 24 e 28 de setembro uma semana de imersão em Direito e Tecnologia. A iniciativa é realizada em parceria com a Finch Soluções, empresa precursora no provimento de soluções para o ramo jurídico por meio de uma plataforma formada por tecnologias de inteligência, localizada em Bauru (SP). Participam do programa 25 alunos, que agora têm a oportunidade de conhecer com profundidade uma empresa de destaque na área de inovação e tecnologia no mercado jurídico.

A empresa foi criada em 2013 para revolucionar as atividades e processos de um dos maiores escritórios de advocacia do Brasil, o JBM Advogados, aumentando seu rendimento e sua eficiência. Conta com mais de 400 funcionários e sete filiais pelo Brasil destacando-se como líder no mercado brasileiro de soluções tecnológicas para o direito. A imersão busca associar o potencial do modelo de negócio da Finch com provocações aos alunos para repensar o que significa a profissão jurídica no século XXI.

A meta da imersão é introduzir a novos modelos de negócio em potencial no mundo jurídico. Assim, a metodologia de ensino está montada para fazê-los pensar e criar novos modos de se praticar o direito em um mundo globalizado e com uso de alta intensidade de ferramentas tecnológicas. Além disso, eles serão preparados para que tenham consciência sobre as habilidades que serão valorizadas em um profissional do direito no futuro de acordo com as necessidades do novo século e as demandas dos novos negócios que surgem.

Para auxiliá-los a pensar desta forma, dentro da programação de imersão, os alunos conhecerão também os escritórios Mandaliti Advogados, que possui excelência na atuação especializada por área de negócio sendo destaque no setor jurídico, e o JBM Advogados, pioneiro no investimento e no uso de inteligência artificial para a área jurídica, ambos utilizam a tecnologia da Finch para seus negócios e foram responsáveis por mudar significativamente a forma tradicional da prestação de serviços jurídico no Brasil com o uso de inteligência artificial.

Concretamente, “o principal objetivo da imersão será co-criar soluções para três desafios propostos pela Finch, Mandaliti e JBM Advogados, envolvendo questões relacionadas ao futuro do contencioso de massa, branding, e modelos de negócios inovadores”, explica Renato Mandaliti, CEO da Finch Soluções. Os alunos precisarão entregar no último dia da imersão uma solução para cada um dos desafios propostos, aplicados à realidade da Finch e dos escritórios. Os desafios permitem que os alunos tomem contato com as dificuldades de se administrar e expandir um negócio baseado em premissas inovadoras e que se distancie do modelo tradicional de administração dos escritórios de advocacias.

Os primeiros dois dias da disciplina ocorrerão no prédio da FGV Direito SP. Neles, serão trabalhados a familiaridade dos alunos com ferramentas tecnológicas do campo jurídico, ao mesmo tempo em que se espera que eles sejam capazes de esboçar um novo tipo de organização para escritórios de advocacia, bem como o perfil dos profissionais que ocupariam os seus postos de administração. Nos últimos três dias da imersão, os alunos viajarão para Bauru, onde irão realizar atividades na própria sede da Finch, do Mandaliti e do JBM e se aprofundarão nos desafios cujas soluções serão o produto final da disciplina. A apresentação dos projetos elaborados será feita diretamente para os diretores e sócios das empresas.

“O objetivo desta atividade é desenvolver diferentes habilidades que vêm se tornando fundamentais para o profissional do direito do século XXI, como empreendedorismo, liderança, criatividade, colaboração, comunicação, consciência social e capacidade crítica”, explica Marina Feferbaum, coordenadora do Cepi. Ao final, espera-se que os alunos tenham contato com uma realidade inovadora tanto no seu modo de concepção quanto na sua execução através de novas tecnologias. Será o cenário para o qual esses alunos precisarão estar preparados ao ingressarem no mercado de trabalho.