Indicador Antecedente avança em março

O IACE agrega oito componentes econômicos que medem a atividade econômica no Brasil.
Economia
19 Abril 2018
Indicador Antecedente avança em março

O Indicador Antecedente Composto da Economia (IACE) para o Brasil, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Economia (FGV IBRE) e pelo The Conference Board (TCB) avançou 0,3%, entre fevereiro e março, alcançando 117,6 pontos. Das oito séries componentes, quatro contribuindo para a alta do indicador, com destaque para o Swap 360 (invertido), que subiu 5,5%.

O Indicador Coincidente Composto da Economia (ICCE, FGV TCB) do Brasil, que mensura as condições econômicas atuais, recuou suavemente ao variar -0,1% no mesmo período.

“O desempenho negativo do ICCE em março reflete a fraqueza de vários indicadores recentes do nível de atividade”, afirma Paulo Picchetti, pesquisador do FGV IBRE. “Entretanto, a variação positiva do IACE permite afirmar que a reversão do atual ciclo de expansão ainda é pouco provável”, completa.

O IACE agrega oito componentes econômicos que medem a atividade econômica no Brasil. Cada um deles vem se mostrando individualmente eficiente em antecipar tendências econômicas. A agregação dos indicadores individuais em um índice composto filtra os chamados “ruídos”, colaborando para que a tendência econômica efetiva seja revelada.

Os oito componentes do IACE são: Taxa referencial de swaps DI pré-fixada - 360 dias (Fonte: Banco Central do Brasil); Ibovespa (Fonte: BOVESPA - Bolsa de Valores de São Paulo); Índice de Expectativas da Indústria (Fonte: FGV IBRE); Índice de Expectativas dos Serviços (Fonte: FGV IBRE); Índice de Expectativas do Consumidor (Fonte: FGV IBRE); Índice de produção física de bens de consumo duráveis (Fonte: IBGE); Índice de Termos de troca (Fonte: FUNCEX - Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior); e Índice de quantum de exportações (Fonte: FUNCEX - Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior).