Líderes jovens de países do BRICS discutem empreendedorismo e novas tecnologias

O tema que guiou as discussões das delegações foi o “Empreendedorismo e Novas Tecnologias - Como Canalizar o Potencial dos Jovens do BRICS para o Desenvolvimento”
Direito
07 Novembro 2019
Líderes jovens de países do BRICS discutem empreendedorismo e novas tecnologias

O Observatório Internacional da Juventude (OIJ), organização liderada por estudantes da Escola de Direito do Rio de Janeiro (FGV Direito Rio), compôs a delegação brasileira que participou do 5º Encontro da Juventude dos BRICS. Após ser realizado em todos os demais países do bloco (Rússia, Índia, China e África do Sul), o evento desembarcou pela primeira vez no Brasil, de 17 a 20 de outubro.

A FGV Direito Rio foi representada por Larissa Merheb (aluna do 4º período), diretora de Projetos do OIJ. O tema que guiou as discussões das delegações foi o “Empreendedorismo e Novas Tecnologias - Como Canalizar o Potencial dos Jovens do BRICS para o Desenvolvimento”.

Com base nessa diretriz, as delegações foram divididas em grupos de trabalho que refletiam os temas dos painéis do evento: Inclusão por meio da Educação; Futuro do Trabalho - Ações e Reduções de Impacto; Habilidades Sócio-Emocionais - A importância dos “Soft-Skills”; Jovens como uma ponte para melhorar as relações intra-BRICS e Ascensão Social por meio do empreendedorismo e geração de empregos.

“Com base nas falas dos participantes e no tom das discussões dos grupos, pode-se dizer que das questões suscitadas, a criação de empregos para a juventude, considerando a escassez destes em todos os países participantes, e o fortalecimento das relações intra-BRICS foram os principais desafios dos grupos de trabalho e o legado desta edição”, destaca Larissa.

O OIJ participou do último grupo, baseando suas propostas nos anos de experiência com articulação dos BRICS e da importância do empreendedorismo para a juventude periférica, que justifica o desenho do Projeto E.L.A (Empreendedoras Líderes do Amanhã), em andamento. As proposições vão constar no relatório final do evento, que será disponibilizado em breve.

“Nossa missão agora é lutar para que as recomendações sejam implementadas. Ao longo das falas, temos uma variável em comum entre as diversas juventudes que compõem os BRICS: precisamos fazer acontecer, tirar as ideias do papel e garantir a representação efetiva da juventude na estrutura dos BRICS", conclui Larissa.