Mercado de trabalho: Indicador Antecedente de Emprego recua
Economia
11 Junho 2018

Mercado de trabalho: Indicador Antecedente de Emprego recua

“Os últimos dados divulgados da economia brasileira surpreenderam negativamente. Com isso, estão sendo revisados para baixo a taxa de crescimento do país que impacta diretamente a contratação. Neste cenário, o IAEmp reflete a percepção de que tanto a situação dos negócios quanto a disposição de contratar tendem a ser menores nos próximos meses”, afirma Fernando de Holanda Barbosa Filho, economista do FGV IBRE.

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) do Instituto Brasileiro do Economia (FGV IBRE) recuou 2,5 pontos entre abril e maio, para 101,1 pontos. A queda de maio é a terceira consecutiva do indicador, o que não ocorria desde o início de 2015. Pela métrica de médias móveis trimestrais, o indicador também apresenta tendência declinante, ao recuar 2,9 pontos em relação ao mês anterior.

“Os últimos dados divulgados da economia brasileira surpreenderam negativamente. Com isso, estão sendo revisados para baixo a taxa de crescimento do país que impacta diretamente a contratação. Neste cenário, o IAEmp reflete a percepção de que tanto a situação dos negócios quanto a disposição de contratar tendem a ser menores nos próximos meses”, afirma Fernando de Holanda Barbosa Filho, economista do FGV IBRE.

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) aumentou 2,3 pontos entre abril e maio, para 96,5 pontos, devolvendo a queda de 2,0 pontos do mês anterior.

“O menor otimismo quanto ao crescimento da economia no ano de 2018 já está afetando a percepção dos trabalhadores quanto à melhora do mercado de trabalho. O ICD mostra que os trabalhadores continuam reticentes com relação ao futuro, apesar da queda (suave) da taxa de desemprego. ”, continua Fernando de Holanda Barbosa Filho.

Seis dos sete componentes do IAEmp variaram negativamente em maio. As maiores contribuições para a queda do IAEmp foram os indicadores que medem a situação dos negócios nos seis meses seguintes nos setores de Serviços e da Indústria de Transformação, com variações, de -6,2 e -5,4 pontos, na margem, respectivamente.

As classes de renda que mais contribuíram para a alta do ICD foram as duas mais baixas: consumidores com renda familiar até R$ 2.100,00, cujo Indicador de Emprego (invertido) aumentou 4,0 pontos; e a faixa entre R$ 2.100,00 e R$ 4.800,00, com variação de 4,3 pontos.

O resultado completo está disponível no site.