Modelo matemático analisa probabilidades de resultados da Copa América e da Copa do Mundo feminina

O Brasil é o favorito para a conquista da Copa América, disputada no país após 30 anos, com 58% de chances. Já no mundial feminino, os EUA lideram as probabilidades, com 33%
Matemática Aplicada
26 Junho 2019
Modelo matemático analisa probabilidades de resultados da Copa América e da Copa do Mundo feminina

A Copa América e a Copa do Mundo feminina têm dividido a atenção dos brasileiros amantes do futebol. Ambas as competições entram em suas retas finais e, assim como no ano passado, durante o mundial da Rússia, a Escola de Matemática Aplicada (FGV EMAp) disponibiliza um site com análises probabilísticas de todos os jogos do torneio, a partir da observação de gols marcados e sofridos em cada partida das seleções filiadas à FIFA nos últimos quatro anos em mais de 1 milhão de simulações.

Finalizada a primeira fase do torneio sul-americano, o Brasil é o favorito para a conquista da Copa América, disputada no país após 30 anos, com 58% de probabilidades. Os principais adversários do time da casa são Uruguai (13%) e Colômbia (12%), que assim como os brasileiros, confirmaram suas classificações às quartas de final na primeira posição em seus grupos. Já a Argentina, do craque Lionel Messi, e que se garantiu no mata-mata apenas na última rodada, aparece na quarta colocação, com 7% de chances. Bicampeão do torneio, o Chile aparece com 5%. Peru (3%), Venezuela (2%) e Paraguai (1%) ainda estão na disputa.

Já no mundial feminino, as norte-americanas são favoritas ao tetracampeonato, com 33% de probabilidades. Maiores vencedores do torneio, os EUA terão a concorrência de sete seleções europeias, que alimentam o sonho de desbancar esse favoritismo. Alemanha, com 22%, as francesas donas da casa, com 13%, Inglaterra, também com 13%, e Holanda, com 11%, são as que aparecem na sequência com maiores possibilidades de título. Suécia (4%), Noruega (2%) e Itália (1%) também seguem na disputa da Copa do Mundo feminina de futebol.

A pretensão do estudo não é adivinhar o que vai acontecer nos torneios, no entanto, é razoável confiar que, na média, o modelo tenha um bom desempenho. Na Copa de 2018 de futebol masculino, quando o mesmo método foi utilizado, os resultados previstos foram suficientes para que a pesquisa terminasse em primeiro lugar no Bolão de Probabilidades FifaExperts, onde a FGV EMAp competiu com outros diversos modelos.

Para conferir as probabilidades para as seleções na Copa América está disponível no site.

Já o modelo matemático com os resultados da Copa do Mundo feminina, acesse o site.