Pelé e Aldo Rebelo lançam índice de bem-estar com OCDE e FGV Projetos

Além de Pelé, o evento teve como participantes o Ministro do Esporte Aldo Rebelo, o diretor da FGV Projetos Cesar Cunha Campos e o diretor de Relações Públicas e Comunicação da OCDE Anthony Gooch.
Institucional
11 Junho 2014

?O Índice para uma Vida Melhor pode transformar o jogo bonito em uma vida bonita?. Esta frase foi dita pela lenda do futebol Pelé, a poucos dias da Copa do Mundo, no evento de lançamento do Índice para uma Vida Melhor (Better Life Index) no Brasil, organizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a FGV Projetos na última segunda-feira. Com o apoio da unidade, a ferramenta interativa criada pela OCDE agora está disponível também em português (http://www.oecdbetterlifeindex.org/pt/), o que torna possível aos brasileiros ranquear e comparar quesitos para o bem-estar com outros 35 países ao redor do globo.Além de Pelé, o evento teve como participantes o Ministro do Esporte Aldo Rebelo, o diretor da FGV Projetos Cesar Cunha Campos e o diretor de Relações Públicas e Comunicação da OCDE Anthony Gooch. De acordo com o ministro, a partir de iniciativas como esta será possível elaborar um diagnóstico ?mais amplo, profundo e multilateral das nossas necessidades. E, a partir daí, traçar políticas públicas para enfrentar e corrigir problemas?.Primeiros resultadosCom os índices gerados por brasileiros até o momento, é possível constatar que a maior preocupação é em relação aos quesitos educação, satisfação pessoal e saúde. Apesar de o país estar mal colocado em muitos itens, 80% dos brasileiros declararam estarem satisfeitos com o seu dia a dia ? número acima da média da OCDE, que é de 76%.Para Cesar Cunha Campos, são informações como essas que permitirão aos gestores perceberem a realidade específica de cada país. Segundo ele, no caso brasileiro esperam-se dados ainda mais precisos com a nova versão do índice, ?em um país em que mais de 100 milhões de pessoas têm acesso à internet, mas não necessariamente compreendem as línguas em que a ferramenta estava disponível anteriormente? (inglês, espanhol, francês, russo e alemão).Em todo o mundo, a iniciativa já recebeu mais de 4 milhões de visitantes de 184 países, desde 2011, quando foi criada.  A ideia é que cada pessoa crie sua versão individual do índice, selecionando o grau de importância que dá aos 11 quesitos de bem-estar da OCDE ? moradia, renda, trabalho, comunidade, educação, meio ambiente, engajamento civil, saúde, satisfação de vida, segurança e equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. O objetivo é dar aos cidadãos uma ferramenta para se comunicar sobre o que é mais importante para sua qualidade de vida e bem estar. O Índice para uma Vida Melhor fornece informações essenciais para que a população possa exigir mudanças, afirmou Anthony Gooch.*Na foto, Cesar Cunha Campos, Aldo Rebelo, Pelé e Anthony Gooch