Pesquisa sobre redução de riscos nucleares da FGV recebe apoio de think tanks dos EUA

A iniciativa visa identificar mecanismos internacionais de governança no setor nuclear com o objetivo de reduzir o risco de proliferação do terrorismo, bem como danos ambientais e à saúde, tirando vantagens da posição única que o Brasil goza no ordenamento nuclear mundial.
Ciências Sociais
20 Julho 2017
Pesquisa sobre redução de riscos nucleares da FGV recebe apoio de think tanks dos EUA

O projeto “Reducing Nuclear Risks in Brazil Through Democratic Governance”, do Centro de Relações Internacionais da FGV, recebeu apoio financeiro da Carnegie Corporation of New York e da Fundação John D. and Catherine T. MacArthur, ambos dos EUA. O objetivo das duas instituições financiadoras é promover projetos com uma abordagem de pesquisa inovadora na área de segurança nuclear. A pesquisa é conduzida pelo professor Matias Spektor, coordenador do Centro de Relações Internacionais da FGV, sediado na Escola de Ciências Sociais da FGV (CPDOC).

A iniciativa visa identificar mecanismos internacionais de governança no setor nuclear com o objetivo de reduzir o risco de proliferação do terrorismo, bem como danos ambientais e à saúde, tirando vantagens da posição única que o Brasil goza no ordenamento nuclear mundial. Por ser um dos poucos países do mundo com capacidade instalada para enriquecer urânio e por ter um projeto sui generis de propulsão nuclear para submarinos, o país pode dar uma grande contribuição à comunidade internacional.

A diretora do Programa de Desafios Nucleares da Fundação MacArthur, Emma Belcher, afirma que a organização busca “projetos que possam ajudar a reduzir o risco nuclear ao demonstrar novas abordagens aos problemas existentes, criar parcerias novas e importantes, e produzir ideias por meio das quais governos e indústria possam atuar”. O projeto “Reducing Nuclear Risks in Brazil Through Democratic Governance” terá duração de dois anos.