Professor da FGV traça escala de resiliência no trabalho

O professor utilizou no estudo a base de alunos à distância da FGV, formada na época por aproximadamente 4.000 nomes. Ele elaborou um questionário, mapeando os nove fatores que compõem a resiliência
Institucional
21 Janeiro 2014

O professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (FGV/EAESP), Paulo Sabbag, analisou aspectos do seu trabalho sobre resiliência ? capacidade de recuperação frente a adversidades ? em entrevista à revista Época Negócios. Idealizador da primeira escala nacional para avaliar o nível de resiliência de profissionais, Sabbag decidiu estudar o tema em função da sua tese de doutorado sobre como um gestor de projetos enfrenta riscos e incertezas, além da experiência pessoal e do surgimento do conceito em meio às suas pesquisas.O professor utilizou no estudo a base de alunos à distância da FGV, formada na época por aproximadamente 4 mil nomes. Ele elaborou um questionário, mapeando os nove fatores que compõem a resiliência: Autoeficácia, Tenacidade, Empatia, Competência social, Temperança, Otimismo, Flexibilidade mental, Proatividade e Solução de problemas. Os resultados encaixam as pessoas em quatros diferentes padrões: baixa, alta e duas variações de média resiliência.No ano passado, Paulo Sabbag ? que é mestre em Engenharia e doutor em Administração de Empresas ? foi um dos ganhadores do 55º Prêmio Jabuti, na categoria ?Economia, Administração e Negócios?, com seu livro ?Resiliência: competência para enfrentar situações extraordinárias na vida profissional?.Clique aqui e confira a entrevista completa do professor à Época Negócios.