Professores da EBAPE defendem reforma orçamentária

Institucional
16 Setembro 2013

O baixo crescimento do país, a onda de manifestações e a proposta de orçamento enviada pelo governo ao congresso todos os anos têm um ponto em comum: a necessidade de se realizar uma reforma orçamentária. O alerta é dos professores da Escola de Administração Pública e de Empresas da FGV (EBAPE) Fernando Rezende e Armando Cunha, autores do livro ?A Reforma esquecida: orçamento, gestão pública e desenvolvimento?.Em matéria publicada no jornal Extra, os economistas criticam o modelo de orçamento vigente no país e dizem que o problema não é a falta de recursos, mas a gestão dos mesmos.  ?Orçamento são as escolhas que se faz para aplicar o dinheiro da sociedade e há implicações disso na qualidade de vida da atual e das futuras gerações. Esse modelo que predetermina tudo parte da premissa de que a solução para a qualidade do serviço público é mais dinheiro, quando não se está usando adequadamente o dinheiro já existente?, explica Armando Cunha, citando a fórmula que fixa a destinação dos recursos.Este é, por exemplo, o caso dos transportes. ?Alguns setores foram sendo expulsos do Orçamento, como os programas urbanos. Estamos assistindo a essa movimentação contra transportes que não funcionam, porque não há mais dinheiro para investir em transportes públicos, nem no governo federal nem nos estados?, revela Fernando Rezende.Ainda de acordo com os especialistas, o modelo reflete a falta de confiança da sociedade nos políticos, deixando pouca margem para a decisão dos gestores e provocando brigas por fatias maiores do orçamento.