Professores da FGV comentam na mídia morte de Muamar Kadafi

Institucional
21 Outubro 2011

Os professores Salem Nasser e Maurício Santoro comentaram a morte de Kadafi, anunciada pelo governo da Líbia ontem, quinta-feira, dia 20 de outubro. Na rádio Jovem Pan de São Paulo, Nasser afirmou em entrevista que ?essa é uma notícia de grandes proporções?. Ele acredita que ?o fim do regime líbio fica marcado de modo mais firme e contudente do que se ele tivesse ficasse vivo, tivesse fugido ou fosse julgado?. Ainda segundo o professor, ?o caráter final da morte ajuda a encerrar o capítulo Kadafi na Líbia?. Nasser espera também que a violência diminua no país. ?A tendência é que haja menos ímpeto para que os que lutavam ao lado de Kadafi continuem o conflito armado?, explica o professor de Direito Internacional da Direito GV. Maurício Santoro, professor de Ciências Políticas, ressalta que a morte do ditador dificulta o acesso do povo líbio à própria história. ?Talvez não tenha sido o melhor para a Líbia se a gente pensar no longo prazo, na questão da memória histórica, para entender como funcionava, mas no curto prazo se elimina um obstáculo muito grande para a transição. Se ele não estivesse sido preso ou morto, ele sempre seria um foco para os descontentes políticos nesse novo governo, afirmou Santoro ao Portal Terra, em uma visão semelhante à de Nasser. Santoro disse ainda que provavelmente a Líbia terá uma transição mais complicada que a da Tunísia e do Egito, que não possuíam regimes ditatoriais tão personalistas. A preocupação agora é com a relação entre os rebeldes que compõem o governo líbio. ?Fica o desafio. As divisões na Líbia são grandes. Vamos ver como elas serão manejadas com o desaparecimento de um inimigo comum?, concluiu Nasser.  Entrevista com Salem Nasser ? Rádio Jovem Panhttp://www.info4.com.br/gomateria.asp?cod=582093&nome=1432&cliente=1432Matéria com Maurício Santoro ? Terra Notíciashttp://www.info4.com.br/gomateria.asp?cod=582078&nome=1432&cliente=1432