Relatório sobre experiência da mulher com zika vírus é lançado no Rio

Segundo o professor Michael Freitas Mohallem, o encontro é uma grande oportunidade de debater as omissões dos governos em relação às mulheres que são vítimas tanto da falta de atendimento adequado durante o período de gestação quanto da baixa eficácia de políticas de prevenção dos mosquitos que as infectam, como o do Zika vírus.
Direito
17 Outubro 2018
Relatório sobre experiência da mulher com zika vírus é lançado no Rio

A Escola de Direito do Rio de Janeiro (FGV Direito Rio) promove mesa-redonda nesta quarta, dia 17 de outubro, das 18h às 21h, para o lançamento do relatório “Vozes Silenciosas: A Experiência da Mulher com o Zika Vírus”.  O trabalho foi elaborado a partir de uma abordagem integrada de saúde pública e direitos humanos e busca apresentar uma compreensão mais ampla da crise na saúde provocada pelo zika vírus. Visa ainda evidenciar o papel que as desigualdades estruturais desempenharam na propagação da epidemia e intensificação de seu impacto, especialmente com relação ao direito das mulheres de tomarem decisões próprias de maneira autônoma e bem informada. O evento será realizado no auditório da Sede FGV (Praia de Botafogo, 190. 12º andar. Botafogo, Rio de Janeiro/RJ).

"A pesquisa é pioneira ao integrar uma abordagem de saúde pública e direitos humanos na análise da epidemia de Zika, buscando compreender de uma maneira mais holística as desigualdades estruturais que amplificaram os efeitos nocivos da epidemia, especialmente com relação aos direitos das mulheres e de pessoas com deficiência”, diz a pesquisadora do Global Health and Justice Partnership, Yale Law School, Juliana Cesario Alvim.

Segundo o professor Michael Freitas Mohallem, coordenador do Centro Justiça e Sociedade (CJUS) da FGV Direito Rio, o encontro é uma grande oportunidade de debater as omissões dos governos em relação às mulheres que são vítimas tanto da falta de atendimento adequado durante o período de gestação quanto da baixa eficácia de políticas de prevenção dos mosquitos que as infectam, como o do Zika vírus.

O trabalho é o resultado de pesquisa realizada por equipe multidisciplinar de especialistas em saúde pública e direitos humanos do Center for Reproductive Rights, da Harvard T.H. Chan School of Public Health’s Women and Health Initiative – W&HI e da Yale’s Global Health Justice Partnership.

O tema em pauta será discutido por Juliana Cesario Alvim, pesquisadora do Global Health and Justice Partnership, Yale Law School; Sebastian Rodriguez Alarcon, pesquisador do Center for Reproductive Rights; Marcos Nascimento, professor e pesquisador da Fiocruz; e Joana Passos, fundadora da Abraço a Microcefalia, com moderação de Michael Mohallem.

Para participar, inscreva-se pelo site.