Retrospectiva 2017: Robôs nas redes sociais: uma ameaça real para o debate público
Políticas Públicas
26 Dezembro 2017

Retrospectiva 2017: Robôs nas redes sociais: uma ameaça real para o debate público

O esforço de pesquisa da DAPP emite um alerta de que não se está imune e que deve-se buscar entender, filtrar e denunciar o uso e a disseminação de informações falsas ou manipulativas por meio desse tipo de estratégia e tecnologia. É importante ter atenção e proteger os espaços democráticos inclusive nas redes sociais.

Retrospectiva 2017 > A Diretoria de Análise de Políticas Públicas da FGV (DAPP) lançou estudo que mostra interferências ilegítimas no debate online através de robôs. Contas programadas para postagens massivas se converteram em uma potencial ferramenta para a manipulação de debates nas redes sociais, principalmente em momentos de relevância política.

O estudo destaca que na greve geral que ocorreu em abril deste ano, mais de 20% das interações ocorridas no Twitter entre os usuários a favor da greve foram provocados por essas contas automatizadas. Nas eleições de 2014, os robôs também influenciaram, chegando a gerar mais de 10% do debate.

Assim como no debate público fora do mundo virtual, as redes também passaram a ser usadas como um fértil espaço para disseminação de informações falsas. Com isso, o mundo virtual tem permitido a adaptação de velhas estratégias políticas de difamação e manipulação de debates públicos, agora em maior escala.

“O crescimento da ação concertada de robôs representa, portanto, uma ameaça real para o debate público, representando riscos, no limite, à democracia, ao manipular o processo de formação de consensos na esfera pública e de seleção de representantes e agendas de governo que podem definir o futuro do país — ressalta o diretor da DAPP, Marco Aurelio Ruediger.

O esforço de pesquisa da DAPP emite um alerta de que não se está imune e que deve-se buscar entender, filtrar e denunciar o uso e a disseminação de informações falsas ou manipulativas por meio desse tipo de estratégia e tecnologia. É importante ter atenção e proteger os espaços democráticos inclusive nas redes sociais. E para que essa proteção aconteça, é necessário identificar os robôs para diferenciar quais situações são reais e quais são manipuladas no ambiente virtual. Às vésperas do início do “ano eleitoral” que definirá o próximo presidente brasileiro, cujas campanhas se anunciam de extremo acirramento, torna-se essencial mapear os padrões de uso desses mecanismos, a fim de evitar intervenções ilegítimas no debate como já verificado em outros países.

Por esse motivo, a DAPP desenvolveu um sistema apurado de identificação de contas suspeitas que atuam como robôs, gerando conteúdo algoritmicamente, e cujos resultados demonstram o importante papel jogado pelos robôs em momentos-chave da política brasileira recente.

“ Apontamos com esse esforço dois compromissos da DAPP. O primeiro, é vinculado ao acompanhamento do debate nas redes e atenção pela democracia. O segundo, de esforço contínuo em desenvolver e aprimorar tecnologias de detecção e compreensão desse fenômeno”, ressalta Ruediger.