Violência no Rio de Janeiro mobiliza debate nas redes
Políticas Públicas
09 Fevereiro 2018

Violência no Rio de Janeiro mobiliza debate nas redes

Foram feitas quatro análises no último mês. A mais recente registrou um volume de 2,6 mil postagens, entre tuítes e retuítes, a respeito do confronto entre policiais e criminosos que ocorreu no Complexo da Maré na terça-feira, 7 de fevereiro.

A Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV DAPP) inaugurou neste ano uma série de publicações que analisa o debate nas redes sociais sobre temas relevantes de segurança pública. O objetivo é utilizar o monitoramento de redes sociais para medir a percepção popular sobre os eventos, trazendo à tona dados que não estarão obrigatoriamente nos registros oficiais e que, pela sua dinâmica de temporalidade, podem auxiliar os agentes públicos no planejamento de ações articuladas entre diferentes instâncias.

Foram feitas quatro análises no último mês. A mais recente registrou um volume de 2,6 mil postagens, entre tuítes e retuítes, a respeito do confronto entre policiais e criminosos que ocorreu no Complexo da Maré na terça-feira, 7 de fevereiro. No período de maior volume de menções, o debate manteve uma média de 154 tuítes, abordando o fechamento de vias expressas e a morte de uma criança, baleada nos confrontos.

Outro levantamento apontou que transtornos em vias cariocas causados por confrontos mobilizaram mais de 4 mil menções no Twitter. Foram identificados, ao todo, quatro picos de menções no período de 12h do dia 24 de janeiro até às 11h do dia 1º de fevereiro. Três destes picos coincidem com tiroteios que interditaram a Linha Amarela e o outro é relativo a troca de tiros na Rocinha que causou o fechamento da autoestrada Lagoa-Barra.

A FGV DAPP analisou também a mobilização nas redes após tiroteio na Tijuca que causou a morte de uma pessoa. Este debate chegou a alcançar em média 17 postagens por minuto em seu pico e se concentrou no uso das palavras “tiroteio” e “bloco”, que apareceram em 50% (600 menções) e 49% (quase 600 menções) das postagens, respectivamente.

Em comum aos episódios, observaram-se menções frequentes sobre desejo de paz e descontentamento com o direito de ir e vir cerceado. Esse debate nas redes sociais permite, assim, identificar o sentimento de insegurança gerado a partir de eventos que envolvam tiroteios, seja por confrontos entre facções ou por operações policiais, e como seus reflexos impactam na rotina da população da cidade do Rio de Janeiro.

O levantamento completo está disponível no site.