A magia da Inteligência Artificial Generativa

A professora da FGV, Annelise Vendramini, comenta os desafios para a altaliderança corporativa compreender os riscos e oportunidades de novas tecnologias digitais.

Administração
08/02/2024
Annelise Vendramini

Mudanças climáticas, biodiversidade, diversidade, direitos humanos, ESG, “net-zero” são exemplos determos cada vez mais conhecidos dos gestores corporativos. Para muitos, esses termos são usados de maneira corriqueira, tendo sido definitivamente incorporados ao vocabulário corporativo. Há dez anos,entretanto, essa realidade era significativamente diferente. A inserção de sustentabilidade na pauta  corporativa é antiga, mas sua importância e abrangência cresceram de maneira impressionante na última década.

Mas outra tendência além da sustentabilidade tem desafiado a habilidade de conselhos e gestores em manterem seus negócios competitivos. Trata-se da revolução digital, caracterizada pelo crescimento exponencial da capacidade de computação, cada vez mais acessível a um maior número de pessoas. A tecnologia digital permitiu acelerar exponencialmente o processo de inovação. Tecnologias como robótica, inteligência artificial, nanotecnologia, realidade aumentada, entre outras, desenvolvidas de maneira independente, começaram a convergir “acelerando a aceleração” do progresso tecnológico. Essa realidade tecnológica é atualmente enfrentada por negócios no mundo todo, colocando em xeque os fundamentos de suas vantagens comparativas.

É nesse cenário que, em 2023, ganhou força uma inovação que tem causado um misto de temor efascínio: a inteligência artificial generativa (GenAI, na sigla em inglês). Embora a inteligência artificial já fosse conhecida e largamente utilizada, a inteligência artificial generativa representa uma nova fronteira, porque a partir da análise dos dados, do uso de linguagem natural e de redes neurais, a GenAI não apenas reconhece padrões, mas é capaz de criar padrões e dados. Enquanto a IA tradicional analisa dados e reconhece o que vê, GenAI pode usar esses mesmos dados para criar algo completamente novo.

O assunto ganhou tamanha relevância que foi um dos principais temas discutidos no 54º encontro anualdo World Economic Forum em Davos, em janeiro de 2024, cujo tema foi “reconstruindo a confiança em meio as incertezas”. Apesar do encontro ter sido organizado em torno de quatro eixos (segurança ecooperação em um mundo fraturado; criação de crescimento e empregos em uma nova era; uma estratégia de longo prazo para clima, natureza e energia; e inteligência artificial como uma força motriz para a economia e sociedade) a GenAI foi “o” grande assunto. Atribui-se ao escritor britânico Arthur C.Clarke a famosa frase “Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinta de magia”. Estamos todos encantados e aterrorizados com as potencialidades dessa magia.

As aplicações da GenAI são múltiplas e podem ser combinadas com outras tecnologias, como a IAtradicional, gerando impactos de forma abrangente sobre toda a cadeia de valor de um negócio. Sua interface é muito amigável em função da linguagem natural e, portanto, tem sido adotada com velocidade por empresas no mundo todo.

Grandes empresas como L’Oréal, Allianz, DHL, Accenture, entre outras, tem seus próprios GPTs, deforma a garantir a qualidade e segurança dos dados que alimentam os algoritmos. As empresas se preocupam também com o chamado “reskilling”, ou seja, capacitação de seus gestores para uso dessas potentes ferramentas.

Não basta ter acesso ao GPT, é fundamental fazer as perguntas corretas, do contrário, a ferramenta é subutilizada. É a chamada “arte do prompt”. Um pouco como na filosofia, em que a resposta é menos importante do que formular a pergunta correta. A sabedoria está em saber perguntar. Ao GPT você pode até dizer “você pode fazer melhor do que isso” e “estimulá-lo” a melhorar seus próprios resultados. É, realmente, um mundo novo.

Mundo esse que traz grandes oportunidades de melhor servir seus clientes, integrar funcionários àempresa (o “onboarding”), melhorar logística, aprimorar pesquisa e desenvolvimento, gerar conteúdo criativo, entre tantas outras aplicações.

Mas há diversos desafios e profundas preocupações. Discussões a respeito da governança responsável da GenAI têm levado diversas empresas a criarem conselhos e comitês multifuncionais e multi stakeholders para discutirem as implicações éticas de seu uso.

Como sua utilização ainda é relativamente nova, estamos todos aprendendo; há problemas conhecidos (como o desrespeito a direitos de propriedade intelectual ou perpetuação de vieses no processo decodificação) e outros que sequer imaginamos. É preciso reconhecer que nesse campo ainda sabemos muito pouco.

Por isso é importante que as empresas se preparem. Em 2023 ouvimos falar de ChatGPT. Mas desdeentão as aplicações de GenAI multiplicam-se a cada dia, assim como seus múltiplos paradoxos. Em2024 é importante que a estrutura de governança corporativa se prepare para esse mundo da GenAI, integrando as estratégias de GenAI e sustentabilidade, analisando, com profundidade, suas convergências e divergências. As aplicações de inteligência artificial podem reforçar as estratégias e práticas associadas à sustentabilidade, gerando sinergia, mas podem também exacerbar seus desafios.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Do mesmo autor

Autor(es)

  • Annelise Vendramini

    Coordenadora do Programa de Pesquisa Finanças Sustentáveis no Centro de Estudos em Sustentabilidade associado à FGV EAESP. Possui graduação em Administração de Empresas pela PUC-SP, MBA em Finanças pelo IBMEC, mestrado e doutorado em Administração de Empresas pelo PPGA da FEA/USP.

Artigos relacionados

Últimos artigos

Esse site usa cookies

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação e utiliza tecnologias como cookies para armazená-las e permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações, acesse o nosso Aviso de Cookies e o nosso Aviso de Privacidade.